Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024
16 C
Lisboa
More

    UE e NATO estão a sentir fadiga em relação à guerra na Ucrânia?

    Declarações do secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, sobre o impasse na guerra na Ucrânia geraram um debate entre analistas sobre se estará em curso a discussão sobre rever o apoio ocidental.

    Jens Stoltenberg realçou que a Ucrânia já recuperou metade do território que a Rússia tinha ocupado, desde fevereiro de 2022, em declarações antes de uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO, terça-feira, em Bruxelas.

    Mas, apesar de todas as garantias oficiais de apoio contínuo à Ucrânia, haverá membros da NATO desiludidos com o resultado da contra-ofensiva da Ucrânia e outros líderes estão a focar a atenção na guerra Israel-Hamas.

    “Não vejo nenhum sinal de que os membros sintam o que chamam de fadiga. Todos estão preocupados, todos reconhecem o sucesso dos ucranianos”.
    Josep Borrell
    Chefe da diplomacia da UE

    Alguns analistas consideram ser plausível que aumentem os esforços para convencer a Ucrânia a iniciar negociações com a Rússia.

    O chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, e o da Ucrânia, Dmytro Kuleba, negaram esse cenário, depois da sua reunião bilateral.

    “Não vejo nenhum sinal de que os membros sintam o que chamam de fadiga. Todos estão preocupados, todos reconhecem o sucesso dos ucranianos. Tenho a certeza que os Estados-membros continuarão a apoiar a Ucrânia porque é uma questão existencial para nós. Não podemos nos dar ao luxo de ficar cansados”, disse Borrell.

    Por seu lado, o presidente russo, Vladimir Putin, também parece não ter pressa para iniciar negociações. Além disso, os analistas consideram que seria muito difícil para o presidente ucraniano aceitar perder soberania territorial, já que exige que as fronteiras sejam as anteriores às da anexação da Crimeia pela Rússia, em 2014.

    “Penso que alguns países europeus aceitariam a troca de terra pela paz. Isto é muito complicado, altamente político, altamente emocional. Mas o próprio Presidente Zelensky seria a pessoa que teria de tomar esta decisão. Mas, também, seria uma espécie de decisão traiçoeira”, disse Judy Dempsey, analista da Carnegie Europe, à euronews.

    Estados Unidos e União Europeia estão a tentar ultrapassar obstáculos logísticos e orçamentais para manter a ajuda militar à Ucrânia e mantêm a promessa de integrar o país na NATO após a guerra.

    Por Maria Psara

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Dani Alves considerado culpado de violação de uma mulher numa discoteca em Espanha

    O futebolista brasileiro de 40 anos negou qualquer infração durante o julgamento de três dias que decorreu este mês....

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema