Domingo, Maio 19, 2024
15.3 C
Lisboa
More

    Genocídio no Ruanda: 30 anos depois

    A comemoração do 30º aniversário do genocídio no Ruanda em 1994 começa a 7 de abril, o dia em que a onda de assassinatos de 100 dias perpetrada por civis e militares mudou para sempre o país da África Central.

    A violência eclodiu depois de um avião que transportava o então presidente do Ruanda, Juvenal Habyarimana, ter sido abatido por dois mísseis terra-ar sobre Kigali à noite, matando o presidente, o seu homólogo do Burundi, Cyprien Ntaryamira, e 10 diplomatas e tripulantes. Os seus corpos estavam a ser retirados dos destroços quando os massacres começaram em todo o país, ao amanhecer.

    O que ninguém poderia prever foram os próximos 100 dias de matança – vizinhos contra vizinhos – tudo baseado em etnias percebidas. Cerca de 800 mil ruandeses foram mortos com facões, paus e equipamento agrícola, e muitos foram violados antes de serem mortos. Os massacres causaram um êxodo em massa de refugiados para a vizinha República Democrática do Congo, bem como para a Bélgica, o antigo colonizador, e os EUA.

    Enquanto o ódio reinava, o tecido social do Ruanda desintegrou-se. Antes do massacre começar, o terreno já estava a ser preparado para o que estava por vir. A Rádio Televisão Libre des Mille Collines (RTLM) , entre a transmissão de resultados desportivos e música às massas de Kigali e da zona rural do Ruanda, apelava ao extermínio de todas as ‘baratas tutsis’ nas semanas anteriores à queda do avião de Habyarimana.

    Um inquérito parlamentar francês sobre o genocídio no Ruanda em 1994 indicou que Paris subestimou grosseiramente o “caráter autoritário, étnico e racista” do regime de Habyarimana. No relatório, a França indicou que foi um grande erro considerar a ajuda militar e diplomática ao Ruanda na altura como uma ajuda ao país que um alegado agressor externo tinha atacado.

    O papel que a comunidade internacional desempenhou no Genocídio do Ruanda em 1994 continua a ser contestado. O Presidente francês Emmanuel Macron talvez tenha dado um passo ao indicar publicamente o papel da França. Durante a sua viagem a Kigali em 2021, ele disse a Kagame e aos ruandeses que a França “reconheceu” as suas responsabilidades no genocídio. A França “não foi cúmplice”, mas fez “o silêncio prevalecer durante demasiado tempo sobre o exame da verdade. A França, que poderia ter impedido o genocídio com os seus aliados ocidentais e africanos, não teve vontade. A comunidade internacional tinha os meios para saber e agir” disse ele.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    TSE suspende julgamento de ações que pedem cassação de Moro por atos na pré-campanha em 2022; caso será retomado na 3ª

    O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) suspendeu nesta quinta-feira o julgamento das ações que pedem a cassação do senador Sergio...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema