Quarta-feira, Abril 17, 2024
20 C
Lisboa
More

    O Quénia e a Etiópia estão a aprofundar os laços económicos e comerciais

    O Quénia e a Etiópia assinaram no final da semana passada sete memorandos de entendimento, que vão desde a economia azul, o desenvolvimento do petróleo e da energia até à melhoria das relações comerciais e da cooperação em investimento, na sequência da visita de Estado do primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed.

    O presidente do Quénia, Ruto, elogiou as parcerias comerciais Quénia-Etiópia, dizendo que irão ajudar a impulsionar a sua busca para se tornarem uma potência económica.

    Num comunicado conjunto, os dois líderes reafirmaram o seu compromisso de fortalecer as suas relações económicas e comerciais com o objetivo de melhorar e alcançar o crescimento sócio-económico do seu povo.

    No âmbito desta parceria entre os dois países, o Quénia anunciou que irá duplicar as importações de eletricidade da Etiópia.

    O Quénia tem-se concentrado no fornecimento de eletricidade mais barata para substituir a energia dispendiosa de produtores independentes de energia no país.

    O Quénia assinou um acordo inicial de fornecimento de eletricidade de 25 anos com a Ethiopia Electric Power (EEP) em julho de 2022 para 200 MW, com um plano para aumentar para 400 MW em 2027.

    Mas um acordo de princípio para uma segunda fase de importação de energia segue-se a uma negociação bem-sucedida com a Etiópia, envolvendo funcionários do Kenya Power e do Estado do Ministério da Energia, onde se espera que o Quénia continue a tirar partido da taxa de 0,065 dólares por unidade.

    O presente contrato prevê um aumento gradual da eletricidade proveniente da Grande Barragem da Renascença Etíope (GERD) durante o resto do contrato, mas o Quénia pretende duplicar o montante em breve.

    A importação é feita através da Linha de Interconexão de Transmissão Etiópia-Quénia, uma rede de transmissão elétrica com 1.045 km de extensão, capaz de transmitir até 2.000 MW.

    A atual administração está sob pressão para reduzir os custos da eletricidade, conforme prometido pelo Presidente William Ruto, o que será fundamental para reduzir a inflação no país. A Kenya Power tem atribuído a culpa dos elevados preços da eletricidade aos dispendiosos IPPs.

    Com o Grupo de Energia da África Oriental (EAPP) em funcionamento, o Quénia pode facilmente exportar durante níveis excedentários e importar energia não térmica a preços acessíveis quando necessário. Contudo, tem havido um progresso lento na expansão das linhas de transmissão transfronteiriças para ajudar na troca de energia.

    A interligação Quénia-Tanzânia – atualmente em construção – completará o circuito EAPP com os existentes no Uganda e na Etiópia. O desenho do mercado EAPP e a Plataforma de Negociação de Mercado (MTP) ainda estão em discussão.

    Por outro lado, a Etiópia tem investido milhares de milhões de dólares nas suas centrais hidroelétricas para superar o Quénia como principal exportador de energia da região, visando fornecer reservas à Somália, Eritreia e Sudão do Sul.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Relação diz “que não há qualquer indício” de que António Costa tenha falado com Lacerda Machado sobre Sines

    O Tribunal da Relação de Lisboa não encontrou nos autos da investigação da Operação Influencer, que resultou na demissão...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema