Sexta-feira, Março 1, 2024
11.7 C
Lisboa
More

    Talibã adverte Biden por chamar o Afeganistão de lugar ‘abandonado por Deus’

    O governo islâmico do Talibã criticou o presidente dos EUA, Joe Biden, por chamar o Afeganistão de “lugar abadonado por Deus” e prometeu reconstruir o país devastado pela guerra sem qualquer apoio estrangeiro.

    “Aqueles que fazem tais comentários o fazem por frustração e inveja pelo Afeganistão”, disse a jornalistas o porta-voz do chefe do Talibã, Zabihullah Mujahid, no sábado, em Cabul.

    Ele continuou elogiando o retorno da paz e da estabilidade à nação do sul da Ásia desde a tomada do Talibã, dizendo que os afegãos “estão a levar as suas vidas diárias normalmente”.

    Durante um discurso na sexta-feira na Califórnia, Biden elogiou os veteranos de guerra por servirem no Afeganistão e repetidamente se referiu ao país como uma área “abandonada por Deus”.

    Ele contou suas várias viagens à zona de guerra afegã como senador e vice-presidente dos Estados Unidos. “Muitos de vocês estiveram no Afeganistão. Já estive em todas as partes. É um lugar abandonado por Deus – é um lugar abandonado por Deus”, disse Biden.

    O presidente dos EUA retirou todas as tropas americanas junto com aliados da NATO, em Agosto de 2021, após duas décadas de guerra com a então insurgência do Talibã.

    A retirada encorajou o grupo islâmico a recuperar imediatamente o controlo do Afeganistão.

    O Projecto Custos da Guerra da Brown University estima que a intervenção militar mais longa da história dos EUA custou a Washington cerca de 2 trilhões de dólares e tirou a vida de mais de 2.400 soldados americanos desde 2001.

    Os Estados Unidos e outros parceiros ocidentais suspenderam imediatamente a assistência financeira a Cabul depois do Talibã tomar o poder em meados de Agosto do ano passado do governo afegão, então apoiado internacionalmente.

    O governo Biden posteriormente impôs sanções ao sector bancário e congelou biliões de dólares nas reservas estrangeiras do banco central afegão.

    As restrições económicas levaram a economia à beira do colapso e pioraram as condições humanitárias no Afeganistão.

    Mujahid disse no sábado que o Talibã não exigiu apoio de outras nações para reconstruir o país, argumentando que os afegãos são “capazes” de fazer isso por conta própria.

    “No entanto, o nosso objectivo é, e nossa necessidade também, buscar relações diplomáticas melhores e confiáveis com a comunidade internacional, incluindo os Estados Unidos”, disse ele.

    “Gostaríamos de contactos e interações legítimos com qualquer país para aprofundar os laços mútuos”, disse Mujahid.

    Ele observou que seus representantes do governo em compromissos recentes com autoridades dos EUA enfatizaram repetidamente a necessidade de construir laços “construtivos” para permitir que ambos os lados abordem preocupações mútuas.

    Nenhum país reconheceu formalmente o governo talibã, porque o grupo islâmico reintroduziu algumas das duras políticas do seu governo de 1996-2001 no país improvisado.

    O Talibã impôs restrições às mulheres,impedimdo efectivamente o seu acesso ao trabalho e à educação. As adolescentes afegãs são impedidas de receber educação secundária.

    Os EUA e a comunidade internacional em geral têm pressionado os líderes do Talibã para que cumpram as suas promessas e respeitem os direitos de todos os afegãos e governem o país de forma inclusiva – se quiserem legitimidade para seu governo.

    O Talibã defende as suas políticas, dizendo que estão de acordo com a cultura afegã e os princípios islâmicos.

    Eles também rejeitaram os pedidos para garantir a inclusão política no governo, dizendo que todos os grupos afegãos estão adequadamente representados nele.

    VOA

    Publicidade

    spot_img
    FonteVOA

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Índia e África do Sul bloqueiam acordo de investimento nas negociações da OMC

    A Índia e a África do Sul apresentaram uma objeção formal contra um acordo de investimento na reunião...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema