Terça-feira, Junho 25, 2024
18.3 C
Lisboa
More

    Myanmar: Aung San Suu Kyi condenada a 4 anos de prisão

    Em Myanmar Aung San Suu Kyi foi hoje condenada a 4 anos de cadeia por incitação a desacatos e violação das regras sanitárias ligadas à Covid. A antiga prémio Nobel da Paz é ainda indiciada da prática de toda uma série de crimes, denunciados por ongs de defesa de direitos humanos, que poder-lhe-iam valar dezenas de anos de prisão na antiga Birmânia. A pena foi entretanto reduzida para dois anos, anunciou a junta militar.

    Desde o golpe de Estado de 1 de Fevereiro a antiga primeira-ministra, de 76 anos, está em prisão domiciliária.

    Ela é ainda indiciada por importação ilegal de walky talkies, corrupção, fraude eleitoral e rebelião.

    A também vencedora das eleições de 2015 e 2020 estaria, segundo muitos observadores, a ser vítima de um julgamento político.

    Também o antigo presidente Win Myint foi condenado à mesma pena, segundo a junta militar eles não seriam, porém, logo levados para a prisão.

    A próxima sentença a ser lida em relação a Aung San Suu Kyi deverá acontecer a 14 de Dezembro por ter infringido a lei sobre catástrofes naturais.

    Foi um tribunal especial, construído em Naypyidaw, a capital, pelos militares, que tem estado a julgar a antiga Prémio Nobel da paz.

    Os seus advogados foram proibidos de falar com a imprensa, os jornalistas que foram arredados de seguir o julgamento.

    Segundo organizações não governamentais de 1 300 pessoas morreram e mais de 10 000 foram detidas na repressão dos protestos contra o golpe de Estado.

    A Amnistia Internacional denuncia a determinação do exército em eliminar qualquer oposição e asfixiar as liberdades em Myanmar.

    O respectivo director executivo em Portugal denuncia uma farsa por detrás deste julgamento e que a prazo Aung San Suu Kyi possa vir a ser condenada a muitos mais anos de cadeia.

    “Este julgamento foi uma farsa e estas acusações também foram uma farsa. Desde Fevereiro, aquando da tentativa de golpe de Estado, a junta militar prendeu milhares de pessoas.”

    A ONG apela a que a ASEAN, a organização regional do sudeste asiático, tome posição quanto à situação dos direitos humanos em Myanmar.

    “O julgamento foi à porta fechada, não sabemos que provas foram apresentadas. Estime-se que 1 300 pessoas tenham sido torturadas e mortas. Estamos a pedir à ASEAN, de que Myanmar faz parte desde 1997, tome posição e faça um trabalho que se comprometeram a fazer.”

    “A situação é caótica, urge que a ASEAN entre no país e possa fazer o seu trabalho. Enquanto isso não acontecer vamos continuar a testemunhar estes abusos de direitos humanos de quem detém o poder em Myanmar neste momento.”

    A junta militar anunciou, entretanto, que a sentença passou de 4 para 2 anos de prisão.

    Publicidade

    spot_img
    FonteRFI

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    TPI emite mandados de prisão contra comandante do Estado-Maior e ex-ministro russo

    O Tribunal Penal Internacional (TPI) anunciou nesta terça-feira (25) que emitiu mandados de detenção contra o comandante do Estado-Maior...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema