Sexta-feira, Abril 19, 2024
18.8 C
Lisboa
More

    Exército mexicano sabia do desaparecimento de 43 estudantes em 2014

    O Exército mexicano teve conhecimento do sequestro e desaparecimento dos 43 estudantes de Ayotzinapa em 2014, um acontecimento que chocou o país, afirmou uma comissão governamental que investiga o caso, em um documento revelado nesta terça-feira (18).

    “O Exército estava ciente do que estava acontecendo e acredita que os alvos que estavam sendo investigados antes dos fatos tinham informações em tempo real sobre os possíveis destinos dos estudantes desaparecidos”, diz o documento emitido pela Comissão da Verdade (Covaj), que investiga o caso.

    Segundo o relatório, a Secretaria de Defesa Nacional (Sedena), à qual pertence o Exército, monitorava membros do grupo armado que cometeu o crime com a cumplicidade de agentes do Estado.

    “Antes dos acontecimentos, a Sedena havia identificado e acompanhado diversos alvos prioritários que faziam parte dos grupos criminosos e cujas informações são de interesse para a continuação da investigação”, diz o documento.

    Um relatório anterior da Covaj, apresentado em 27 de setembro, indicava que a participação por ação ou omissão de autoridades federais, estaduais e municipais no caso constituía “crime de Estado”.

    Os alunos da escola rural de Ayotzinapa desapareceram entre 26 e 27 de setembro de 2014 na cidade de Iguala, no estado de Guerrero (sul), um dos mais violentos do país devido aos confrontos entre cartéis do narcotráfico.

    Os jovens chegaram a Iguala para pegar ônibus e viajar até a Cidade do México, onde participariam de uma manifestação, quando foram perseguidos e atacados por assassinos do cartel Guerreros Unidos.

    Esta máfia é acusada de ter executado o crime em conluio com a polícia e diante da passividade das autoridades e oficiais das Forças Armadas do México.

    – Denúncia dos familiares –

    Os familiares dos 43 estudantes de Ayotzinapan alegaram que o governo do presidente Andrés Manuel López Obrador forneceu informações incompletas sobre o caso, especialmente sobre a participação do Exército.

    Até o momento há 132 detidos pelo crime, incluindo 14 membros do Exército e o ex-procurador-geral Jesús Murillo Karam, inicialmente responsável pelas investigações.

    Entre as razões apresentadas pelas autoridades para o desaparecimento dos estudantes estão o fato de terem sido confundidos com membros de um cartel rival ou de terem sido vítimas de uma “perseguição” por parte do prefeito de Iguala e de Guerreros Unidos.

    Também foi sugerido que a presença de drogas, armas ou dinheiro nos ônibus em que viajaram poderia ter levado à sua perseguição e morte.

    O governo afirmou que estas hipóteses “não são necessariamente excludentes”.

    Até o momento, os restos mortais de apenas três dos estudantes foram encontrados e identificados.

    Publicidade

    spot_img
    FonteAFP

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Angola com dificuldades de recuperar ativos de São Vicente

    "No quadro do combate contra a corrupção e em relação à recuperação de ativos, ouvimos ontem as declarações...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema