Quarta-feira, Abril 17, 2024
23.2 C
Lisboa
More

    Astrónomos detetam a mais antiga galáxia “morta” que deixou de formar estrelas 700 milhões de anos após o Big Bang

    Utilizando o Telescópio Espacial James Webb, astrónomos fizeram uma nova observação do que dizem ser a galáxia mais antiga que deixou de formar estrelas.

    Uma equipa internacional de astrónomos detetou uma galáxia “morta”, que deixou de formar novas estrelas apenas 700 milhões de anos após o Big Bang.

    Os especialistas afirmam que se trata da galáxia mais antiga alguma vez observada e que poderá ajudar a compreender como se regula a formação de estrelas e porque é que as galáxias deixam de formar novas estrelas, algo a que se chama “quenching”.

    A investigação foi publicada na revista Nature.

    “As primeiras centenas de milhões de anos do Universo foram uma fase muito ativa, com muitas nuvens de gás a colapsar para formar novas estrelas”, disse Tobias Looser, do Instituto Kavli de Cosmologia da Universidade de Cambridge e primeiro autor do artigo.

    “As galáxias precisam de uma grande quantidade de gás para formar novas estrelas, e o Universo primitivo era como um buffet à discrição”, acrescentou.

    A formação de estrelas é uma parte importante da formação e evolução das galáxias. Esta galáxia em particular deixou de formar novas estrelas há cerca de 13 mil milhões de anos.

    Os astrónomos determinaram que a galáxia teve uma “curta e intensa explosão de formação de estrelas” que parou entre 10 e 20 milhões de anos antes do momento em que foi observada pelo Telescópio Espacial James Webb.

    A galáxia pode estar a brincar aos mortos
    Mecanismos como o feedback da formação estelar e buracos negros supermassivos estão entre os propostos como possíveis razões para o abrandamento ou paragem da formação estelar.

    É também possível que o gás tenha sido consumido sem ser reabastecido durante a formação estelar, essencialmente fazendo a galáxia passar fome.

    “Não temos a certeza se algum destes cenários pode explicar o que vimos agora com o Webb”, disse o coautor Roberto Maiolino, professor de astrofísica experimental na Universidade de Cambridge.

    “Até agora, para compreender o universo primitivo, usámos modelos baseados no universo moderno. Mas agora que podemos ver muito mais para trás no tempo e observar que a formação estelar foi extinta tão rapidamente nesta galáxia, os modelos baseados no Universo moderno podem ter de ser revistos”, acrescentou.

    É possível que, embora a galáxia pareça “morta” quando estão a observá-la, tenha começado a formar novas estrelas novamente, mas são necessárias mais observações para o determinar.

    Segundo os astrónomos, esta é uma das observações mais profundas feitas com o telescópio James Webb e utilizou dados do JADES (JWST Advanced Deep Extragalactic Survey).

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Relação diz “que não há qualquer indício” de que António Costa tenha falado com Lacerda Machado sobre Sines

    O Tribunal da Relação de Lisboa não encontrou nos autos da investigação da Operação Influencer, que resultou na demissão...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema