Domingo, Abril 14, 2024
18.1 C
Lisboa
More

    A China está a comprar mais produtos agrícolas de África, mas ainda há muito espaço para crescimento

    Os consumidores chineses podem agora comprar café, chá e abacates quenianos – todos enviados sem tarifas. Os dados mais recentes mostram que a China está a comprar mais produtos agrícolas de África, mas apesar de toda a produção agrícola queniana que se dirige para leste, o alho e o peixe chineses também se dirigem cada vez mais na direção oposta.

    No contexto do comércio global China-África, que quase não cresceu em 2023, enquanto o défice comercial de África aumentou, o segmento do comércio agrícola aumentou mais de 6%, e a China é o lado que detém o défice comercial.

    Estes são alguns dos detalhes de um relatório publicado na semana passada pela Câmara Chinesa de Comércio de Importação e Exportação de Alimentos, Produtos Nativos e Subprodutos Animais (CFNA), em Pequim.

    O comércio total da China com África atingiu 282 mil milhões de dólares em 2023 , um ligeiro aumento de 1,5% em relação ao ano anterior. As exportações da China para África aumentaram enquanto as importações do continente diminuíram e o défice comercial de África saltou de 46,9 mil milhões de dólares para 64 mil milhões de dólares.

    Tanto Pequim como a parte africana querem resolver este défice. O Presidente da China, Xi Jinping, afirmou que a China pretende aumentar as importações de África para 300 mil milhões de dólares dentro de três anos (no ano passado, a China importou 109 mil milhões de dólares de África). Para o efeito, Xi afirmou que a China estava a abrir “vias verdes” para as importações agrícolas africanas e a aumentar a gama de produtos do continente que podem ser importados sem tarifas, entre outras medidas.

    O relatório da CFNA mostra que alguns países africanos estão a começar a beneficiar destas “vias verdes”, mas no contexto dos dados, o comércio agrícola entre os dois lados ainda se encontra a um nível minúsculo.

    Dados do comércio agrícola China-África em 2023:

    CRESCIMENTO CONSTANTE, PEQUENA ESCALA: Embora tenha crescido continuamente 6,1% face ao ano anterior, para 9,35 mil milhões de dólares em 2023, o comércio agrícola representou apenas 3,3% do comércio global entre os dois lados.

    • CRESCEM AS EXPORTAÇÕES DA CHINA E DIMINUI O DÉFICIT: As exportações de África para a China aumentaram 2,4%, enquanto as importações de África provenientes da China aumentaram bem mais de 10, resultando na redução do excedente comercial de África num montante considerável, para 1,3 mil milhões de dólares no ano passado.

    ANTIGOS E NOVOS PARCEIROS COMERCIAIS: A África do Sul é o maior destino de exportação da China, nomeadamente de vegetais e frutas, seguida pelo Gana e pela Nigéria. A África do Sul é também a maior fonte de importações da China, como frutas e (a partir de 2023) milho e soja , seguida pelo Sudão e pelo Zimbabué. A Tanzânia ficou em quarto lugar e teve o aumento anual mais significativo nas exportações para a China, de 73,8% ano após ano.

    PEIXES E CHÁ PARA SEMENTES Oleaginosas E NOZES: Os produtos aquáticos e representaram a maior parte das exportações da China para África, cerca de um quinto, enquanto o chá representou aproximadamente a mesma parte, seguido por vegetais e produtos relacionados, incluindo alho. A maior parte das importações da China provenientes de África foram representadas por sementes oleaginosas e produtos associados, principalmente sementes de sésamo, com quase 40%, enquanto frutas e produtos relacionados representaram apenas 7,1%.

    As importações de produtos agrícolas africanos pela China provavelmente continuarão a crescer de forma constante, mas não a uma taxa que resolva o desequilíbrio comercial geral. Além disso, há um limite para a quantidade de produtos africanos que podem ser vendidos na China, uma vez que alguns mercados, nomeadamente o abacate, já mostraram sinais de saturação .

    No entanto, ainda há muito espaço para crescimento para que África consiga ser um fornecedor significativo de alimentos para a China. Em 2023, a China importou produtos agrícolas no valor de 234,11 mil milhões de dólares em alimentos, sendo a maior parte dos produtos provenientes da Europa, Ásia e das Américas – os 5 mil milhões de dólares importados de África representaram apenas 2,1% deste total.

    Por Editor Económico
    Portal de Angola

    Publicidade

    spot_img
    FonteCGSP

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Irão lança ataque com mais de 100 drones contra Israel em retaliação

    O Irã lançou um ataque com drones contra Israel em um ato de retaliação, neste sábado (13). “Compreendemos essas...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema