Sexta-feira, Abril 19, 2024
15.6 C
Lisboa
More

    Maioria absoluta socialista aprova último Orçamento do Estado de António Costa

    É um dos últimos atos do Parlamento nesta legislatura. Os deputados vão votar na globalidade a proposta de Orçamento do Estado para 2024, que tem aprovação garantida pela maioria absoluta do PS

    – PS votou sozinho contra a reposição da carreira dos professores. Pedro Nuno Santos, obrigado à disciplina de voto, fez declaração de voto por concordar “genericamente com o espírito da proposta” do PSD

    – Livre e PAN acabaram a destacar as vitórias conquistadas na fase da especialidade. “As etiquetas tradicionais da esquerda e da direita já se tornaram inadequadas”, disse Inês de Sousa Real

    – Bloquista Mariana Mortágua lamentou que o PS tenha entregado “uma política arrogante, de remendos mal-amanhados” e que a democracia tenha “sido empobrecida por um regime económico de promiscuidade, facilitismo e privilégio”

    – PCP destacou que as suas medidas mais emblemáticas não foram aprovadas pelo PS: “A maioria absoluta do PS não foi nenhuma garantia de estabilidade. Foi isso sim, garantia de instabilidade na vida do povo português”

    – Iniciativa Liberal reforçou que “não foi o parágrafo” sobre o primeiro-ministro no comunicado da Procuradoria-Geral da República sobre a Operação Influencer que fez cair o Governo, mas sim todas as más opções de António Costa, que Rui Rocha aconselhou a “escolher melhor as companhias”. “Hasta la vista”, despediu-se. Foram também reforçadas mudanças recentes: “Muita coisa mudou. Ventura agora é moderado. O PSD já não valoriza as contas certas. E Pedro Nuno Santos diz que já não é esquerdista”

    – André Ventura considerou que o “PS acaba a ser vítima do próprio clima irrespirável de compadrio”

    – Para o PSD, com Joaquim Miranda Sarmento, “António Costa demitiu-se por uma razão: o seu governo ruiu por dentro, envolto em casos mal explicados”. Houve também ataque a Pedro Nuno Santos: “Já ninguém no PS quer pôr as pernas dos banqueiros alemães a tremer”

    – PS respondeu ao PSD, acusando-o de ser “cópia” do Chega: “Entre radicais que agora parecem moderados e os que se dizem moderados e fazem discursos radicais, venha o diabo e escolha”

    – Tanto Fernando Medina como António Costa vincaram que os resultados atingidos foram reflexo das políticas tomadas pelo Governo nos últimos oito anos. Medina falou no “orçamento mais ambicioso da Europa” e recordou uma posição antiga de Montenegro sobre as pensões. Já Costa destacou que, agora, “o país poderá prosseguir uma trajetória de continuada melhoria”

    – António Costa emocionou-se na despedida, perante a homenagem de “gratidão” prestada pelo PS. À saída do Parlamento, depois de uma breve declaração aos jornalistas, soltou o desabafo: “está feito!”.

    – O Orçamento do Estado para 2024 foi aprovado, em votação final global, com a maioria absoluta socialista. Só o PS votou a favor. Livre e PAN abstiveram.se PSD, Chega, Iniciativa Liberal, Bloco de Esquerda e PCP votaram contra.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    FMI altera regras para acelerar acordos de dívida com países em desenvolvimento e evitar atrasos causados pela China

    O conselho executivo do Fundo Monetário Internacional apoiou uma mudança importante para dar-lhe mais liberdade para apoiar países em...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema