Quarta-feira, Julho 17, 2024
26.7 C
Lisboa
More

    Ucrânia: Milhares de mortes após seis meses do início de uma guerra “brutal”

    A Ucrânia celebra esta quarta-feira, 24 de Agosto, o Dia da Independência da Ucrânia e seis meses desde o início da invasão lançada pela Rússia, a 24 de Fevereiro. “Na Europa ainda não tínhamos assistido uma grande destruição desta dimensão, desde guerra mundial”, afirma o politólogo Álvaro Vasconcelos.

    Completam-se esta quarta-feira seis meses do início de uma guerra “brutal” com milhares de mortes, lembra o politólogo português, Álvaro Vasconcelos. “Foram seis meses de uma guerra brutal, em que milhares de vidas foram perdidas, em que milhões de pessoas foram obrigadas a abandonar as suas casas”, descreve.

    Álvaro Vasconcelos lembra ainda que, pela primeira vez desde a segunda guerra mundial, “assistimos a uma guerra de conquista territorial. A guerra desencadeada pela Rússia contra a Ucrânia, mas também devemos dizer que essa guerra de conquista territorial, com todas as tragédias provocou, não tem sido um sucesso para a Rússia”.

    No início do conflito, a Rússia pensava que iria ocupar a Ucrânia rapidamente, “falavam mesmo de uma guerra de três dias. Chegaram a Kiev, cercaram Kiev, mas foram obrigados a retirar-se de Kiev e concentrar-se no Donbass e nas zonas do sul da Ucrânia, tentando criar uma relação entre o Donbass e a Crimeia. Aí, foram avançando lentamente, dez quilómetros nos últimos meses, com enormes perdas para o exército russo, mas também com enormes destruições para a Ucrânia”, sublinha o politólogo.

    Um em cada quatro ucranianos fugiu do país desde o início da invasão russa. As Nações Unidas calculam mais de 5.000 mortes de civis. Prever o fim da guerra “não faz sentido”, aponta Álvaro Vasconcelos, porque até ao momento “todas as previsões falharam”. “A previsão de uma vitória da Rússia falhou”, mas também falhou a ideia de que “a Rússia poderia ser derrotada, rapidamente”, lembra.

    “Estamos perante um cenário terrível, de uma guerra prolongada, que pode durar anos. Faz lembrar, de certa forma, o que se passa entre a Índia e o Paquistão, na Caxemira, que é uma guerra que dura dezenas de anos, mas uma guerra de outra intensidade, com forças armadas, com armamentos muito sofisticados e pesados, e com um grau de destruição sem precedentes na Europa. Evidentemente, que assistimos a guerras de destruição deste tipo levadas a cabo pelo exército russo na Síria e na Chechénia, mas na Europa ainda não tínhamos assistido uma grande destruição desta dimensão, desde guerra mundial”, conclui o politólogo.

    Publicidade

    spot_img
    FonteRFI

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    FMI: Crescimento global estável em meio à desinflação mais lenta e à crescente fragmentação geoeconómica

    O FMI publicou na terça-feira a revisão das suas projeções sobre a economia mundial. O Fundo Monetário Internacional alertou que...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema