Domingo, Maio 26, 2024
20.1 C
Lisboa
More

    Trump não está imune a acusações de subversão eleitoral, decide Tribunal de Recurso dos EUA

    Um tribunal federal de recurso decidiu, nesta terça-feira (6), que Donald Trump não tem imunidade contra acusações de que planeou reverter a sua derrota eleitoral de 2020, aproximando o ex-presidente de um julgamento criminal sem precedentes.

    Um painel de três juízes do Tribunal de Recurso dos EUA para o Circuito do Distrito de Columbia rejeitou a alegação de Trump de que ele não pode ser processado porque as alegações estão relacionadas com as suas responsabilidades oficiais como presidente.

    A decisão, da qual é quase certo que Trump recorrerá, rejeita a sua tentativa de evitar um julgamento sob a acusação de ter minado a democracia americana e a transferência de poder, numa altura em que consolida a sua posição como favorito à nomeação presidencial republicana.

    Os advogados de Trump argumentaram que os antigos presidentes tinham direito a amplas proteções legais e não podiam ser processados criminalmente por ações oficiais, a menos que primeiro fossem alvo de impugnação pela Câmara dos Representantes e destituídos do cargo pelo Senado.

    Trump teve dois processos de impugnação pela Câmara, mas em cada um deles os republicanos do Senado deram votos suficientes para absolvê-lo das acusações.

    Os juízes abordaram a natureza ampla da alegação de Trump numa audiência de 9 de janeiro, questionando um advogado de Trump sobre se mesmo um presidente que ordenou que comandos militares assassinassem um rival político poderia escapar de um processo criminal sem uma ação inicial do Congresso.

    Trump expressou repetidamente a sua reivindicação de imunidade na campanha e nas redes sociais, dizendo numa publicação de 18 de janeiro: “Todos os presidentes devem ter imunidade presidencial completa e total, ou a autoridade e decisão de um presidente dos estados unidos serão despojados e sumirão foi para sempre.”

    O caso apresentado pelo procurador especial Jack Smith acusa Trump de usar falsas alegações de fraude eleitoral para pressionar legisladores estaduais, funcionários do Departamento de Justiça e o então vice-presidente Mike Pence a impedir a certificação dos resultados eleitorais. É um dos quatro casos criminais enfrentados por Trump e um dos dois que alegam interferência nas eleições de 2020.

    Trump se declarou inocente de quatro acusações criminais e acusou os procuradores de um esforço politicamente motivado para prejudicar a sua campanha.

    O argumento de imunidade foi anteriormente rejeitado pela juíza distrital dos EUA, Tanya Chutkan, em dezembro, o que levou Trump a apelar.

    Mesmo que o argumento de Trump não seja aceite pelos tribunais, o recurso deverá atingir o seu objetivo de adiar o julgamento agendado para 4 de Março e potencialmente adiá-lo até depois das eleições de Novembro. O caso está em espera enquanto Trump recorre.

    Se Trump vencer as eleições, ele poderá tentar perdoar-se ou instruir o Departamento de Justiça a encerrar o caso.

    Trump pode pedir a todo o tribunal do circuito de DC e ao Supremo Tribunal dos EUA que revejam a decisão, o que poderá resultar em semanas ou meses de atraso adicional.

    Publicidade

    spot_img
    FonteVOA

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Anora de Sean Baker vence Palma de Ouro em Cannes. Miguel Gomes recebe Melhor Realização com Grand Tour

    O realizador norte-americano recebeu o prémio de Melhor Filme no Festival de Cinema de Cannes pelo qual "trabalhou toda...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema