Segunda-feira, Julho 15, 2024
20.2 C
Lisboa
More

    Sonangol e Chevron assinam contratos para exploração petrolífera no Baixo Congo

    A Sonangol e a Cabinda Gulf Oil Company Limited (CABGOC), subsidiária da Chevron em Angola, assinaram esta terça-feira, em Luanda, dois “Contratos de Serviços com Risco” para concessão dos blocos 49 e 50, ambos na Bacia do Baixo Congo, considerada zona de risco para exploração petrolífera.

    Com esse acordo, a Chevron vai efectuar estudos ao explorar os blocos em offshore e avaliar os riscos, bem como analisar se há reservas ou não a serem explorados.

    Os respectivos contratos apontam que a CABGOC detém 80 por cento de participação e a Sonangol Pesquisa e Produção 20%.

    Em 70 anos de operação em Angola, as referidas concessões constituem os primeiros activos operados pela CABGOC fora de Cabinda (Bloco 0).

    A propósito, o director-geral da Chevron em Angola, Billy Lacobie, considerou os blocos 49 e 50 como uma nova oportunidade para partilhar tecnologia e expandir as suas operações no país, constituindo-se num portifólio significativo para empresa.

    Já o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, disse que, a partir deste momento, vai iniciar o trabalho de pesquisa e avaliação até chegar à exploração como resultado final.

    Apesar de manifestar interesse no aumento da produção, o ministro lembrou que os referidos campos petrolíferos ainda não contarão para a produção de 2024 e 2025.

    Para o ministro, a celebração dos contratos representa um sinal que o país continua a ser um pólo importante para a indústria petrolífera no mundo.

    Reiterou, na ocasião, o compromisso do Governo impulsionar a estabilização dos níveis de produção do crude.

    “Temos consciência que ambos os blocos, por conta das condições geológicas, encontram-se em zonas de risco, por isso os incentivos fiscais são justificados e ainda estarão abertos a ajustes, à luz do processo de reformas que continuam a ser implementadas há sete anos”, reforçou.

    Por seu turno, o presidente do Conselho de Administração da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Paulino Jerónimo, referiu que o país registou um aumento na produção de barris de petróleo, nos últimos seis dias, contrariamente aos habituais um milhão e 200 mil barris/dia, desde o princípio de 2024.

    O gestor afirmou que a sua equipa está engajada na mudança de paradigma e consciente que o aumento contínuo da produção depende do crescimento da actividade de exploração.

    A CABGOC detém 39,2% no Bloco 0 e uma participação de 31%, num contrato de partilha nos blocos 14 e 14/23. ML/QCB

    Publicidade

    spot_img
    FonteANGOP

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Trump é retirado de comício na Pensilvânia após disparos

    O ex-presidente americano Donald Trump, candidato à reeleição, foi retirado do palco neste sábado durante um comício na Pensilvânia,...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema