Segunda-feira, Julho 15, 2024
20.2 C
Lisboa
More

    Somoil e TotalEnergies entre vencedores do Angola Oil & Gas

    A petrolífera privada nacional Somoil e a multinacional TotalEnergies constam da lista dos vencedores da gala de premiação “Angola Oil &Gas”, um evento que homenageou, este sábado, os melhores actores da indústria de petróleo no país.

    O evento, promovido pela consultora nacional e provedora de informação sobre petróleo e gas, a PetroAngola, galardoou com o prémio “Executivo do Ano” o presidente do Conselho de Administração da Somoil, Edson dos Santos, que está a conduzir a maior operadora privada angola, apostada no aumento dos níveis de produção de crude.

    Com participações nos blocos 14, 18 e 31, no offshore angolano, e operadora nos blocos 2/05, a Somoil prevê, para 2025, uma produção na ordem dos 40 mil barris dia (KBPD).

    A multinacional TotalEnergies venceu o prémio na categoria de “Companhia Operadora do Ano”, tendo contribuindo, entre 2021 e 2022, com cerca de 45% da produção total do país.

    Operadora dos blocos 17 e 32, bem como 17/06 e 16 e 48, que se encontra actualmente em fase de exploração, a empresa francesa também tem participações os blocos 14, 14K e 0 (zero).

    Só os blocos 17 e 32 reflectem um volume médio diário na ordem dos 387 mil barris e 150 mil barris de petróleo (KBPD), respectivamente.

    Só o bloco 17 registou, durante o período em análise, um aumento na produção de mais de 2%, resultante dos vários programas de optimização da produção, incluindo o arranque do projecto Zínia fase 2, em 2021, com cerca de 9 poços perfurados e uma capacidade de produção de 40 mil barris dia.

    Ainda no decurso deste ano, a multinacional assegurou a continuação das suas operações em Angola com o anúncio de novos investimentos no bloco 17 avaliados em 850 milhões de dólares, para o lançamento da fase 3 do campo CLOV, com vista a adicionar cerca de 30 mil barris de petróleo por dia.

    Enquanto isso, desenvolve também os campos offshore Carmeia-Golfinho dos blocos 20/11 e 21/09, respectivamente, com reservas estimadas em 420 milhões de barris de petróleo.

    O prémio “Companhia Exploradora do Ano” foi para a Azule Energy, pelas pesquisas feitas em áreas de desenvolvimento das concessões petrolíferas, descobertas de novos recursos de petróleo e gas, entre outros feitos.

    A companhia, uma “joint venture” entre a ENI e a BP, no iniciou, no princípio deste ano, um programa de actualização da base de recursos do campo Ndungu, localizado a cerca de 130 quilómetros da costa angolana e a cerca de 10 Km da Unidade Fluctuante de Produção, Armazenamento e Descarga (FPSO) do Ngoma, no hub oeste do bloco 15/06.

    Neste campo aumentaram as estimadas de recursos para um total entre 800 a um milhão de barris de petróleo, ultrapassando as previsões anteriores que eram de 250 a 300 milhões de barris de crude, o que torna o projecto Ndungu, juntamente com o Agogo, na maior descoberta ja feita no bloco 15/06, desde a sua adjudicação.

    A francesa também arrebatou o prémio “Empresa Distribuidora de Combustíveis do Ano”, por ser detentora de 47 postos de abastecimento de combustíveis e lubrificantes em 10 províncias do país, com uma participação de 5% no mercado nacional.

    Foram, de igual modo, distinguidos no jantar de gala “Angola Oil &Gas” a empresa angolana de gestão da cadeia de abastecimento e logística, a Cabship, premiada na categoria de “Conteúdo Local” e a PLuspetrol para o prêmio de “ Responsabilidade Social Corporativa do Ano”, depois de se ter destacado na construção de projectos ligados à agua, energia (painéis solares) e manutenção de salas de aula em algumas localidades de Cabinda.

    Para a categoria “Banco de Oil & Gas” foi vencedor o Banco de Fomento Angola (BFA), engajado há 11 anos na promoção da indústria de petróleo e gas, com realce para o Conteúdo Local, incluindo apoio directo às empresas do sector.

    A última categoria “Prémio de Carreira”, foi entregue ao especialista em petróleo e gás Arnaldo Lago de Carvalho, com 40 anos de experiência no sector, período que contribuiu para o progresso da indústria petrolífera angolana, com destaque para a criação e gestão de várias empresas que se destinam a prestar serviços impactantes na economia nacional.

    Na Edição/2022, foram homenageados e premiados empresas e indivíduos que tiveram um desempenho impactante que contribuiu para o desenvolvimento dos segmentos de exploração, refinação e transporte e distribuição da indústria petrolífera angolana.

    A terceira edição será realizada em 2023.

    ANGOP

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Trump é retirado de comício na Pensilvânia após disparos

    O ex-presidente americano Donald Trump, candidato à reeleição, foi retirado do palco neste sábado durante um comício na Pensilvânia,...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema