Sexta-feira, Abril 19, 2024
18.8 C
Lisboa
More

    Saúde regista 35 mortes por malária em dois meses em Cabinda

    Trinta e cinco óbitos é o registo causado pela malária nos meses de Janeiro a Fevereiro do ano em curso em Cabinda, dos cinco mil e 792 casos notificados pela secretaria provincial da saúde, escreve a Angop.

    Em breves declarações, terça-feira, a imprensa, a supervisora do programa provincial de combate a malária em Cabinda, Angelina Nunes, referiu que o aumento de casos de malária na província deve-se a falta da cultura no seio da população sobre o uso correcto do mosquiteiro, a inexistência de saneamento básico adequado e a acumulação de lixo nas valas de drenagem.

    “A malária é uma doença que pode ser tratada e se as populações cumprirem com rigor os conselhos que os técnicos de saúde transmitem como fechar as janelas, sacudir a casa antes de sair e montar correctamente o mosquiteiro não teríamos o número elevado de casos e de óbitos por malária”, disse Angelina Nunes.

    Indicou ainda que o programa provincial de combate a malária está virado para as mulheres grávidas e crianças de menor idade, com o aconselhamento de colocação de mosquiteiro de forma rotineira, com vista a diminuição de casos de óbitos.

    “As mulheres grávidas que vêem às consultas e às crianças de menor idade recebem mosquiteiros, mas infelizmente, a população muita das vezes não coloca em prática os conselhos dos técnicos de saúde e os mosquiteiros que recebem são usados para outros fins, como por exemplo, para o embrulho de peixe, mandioca, milho e de outros produtos agrícolas, o que está na base do aumento dos índices desta patologia”, referiu.

    A secretaria provincial da saúde, em coordenação com as administrações municipais com vista a combater a propagação da doença, leva a cabo programas de fumigação exterior e interior em vários bairros nas zonas de existências do vector para além da realização de palestras de sensibilização à população ao uso de mosquiteiros e destruição de áreas de acumulação de lixo e águas estagnadas.

    A secretaria da saúde em Cabinda conta igualmente para além dos apoios do governo da província como também da parceria com a multinacional Chevron, a África Care e World Vision que desenvolvem programas de malária junto às comunidades.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Angola com dificuldades de recuperar ativos de São Vicente

    "No quadro do combate contra a corrupção e em relação à recuperação de ativos, ouvimos ontem as declarações...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema