Sexta-feira, Março 1, 2024
11.7 C
Lisboa
More

    São Tomé: Tribunal Constitucional confirma maioria absoluta da ADI

    O Tribunal Constitucional anunciou esta segunda-feira, 3 de Outubro, a distribuição dos mandatos na futura Assembleia, onde a ADI dispõe de 30 deputados, garantindo uma maioria absoluta ao partido de Patrice Trovoada.

    Mais de uma semana após as eleições legislativas em São Tomé e Príncipe e depois de uma espera que provocou alguma agitação social e política no país, o Tribunal Constitucional anunciou hoje a distribuição dos mandatos na futura Assembleia, onde a ADI dispõe de 30 deputados, com 36.212 votos, garantindo ao partido de Patrice Trovoada uma maioria absoluta.

    Em entrevista à RFI, ainda antes do pronunciamento do Tribunal Constitucional, Patrice Trovoada reconheceu que os eleitores responderam ao seu apelo.

    “Nós trabalhámos com esse objectivo da maioria absoluta. Eu assumi o risco político de dizer que, sem maioria absoluta, eu não seria primeiro-ministro e o eleitorado correspondeu e temos maioria absoluta e temos o nome do próximo primeiro-ministro.”

    O líder da ADI prometeu que a sua prioridade é “olhar para o povo”, sublinhando que quer “diminuir o preço dos alimentos que compõem a cesta básica dos são-tomenses”.

    Na nova configuração do Parlamento, o MLSTP/PSD, do actual primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, conquistou 25.287 votos, o que corresponde a 18 deputados.

    A terceira força política, com cinco eleitos, será a coligação Movimento de Cidadãos Independentes – Partido Socialista / Partido de Unidade Nacional (MCIS-PS/PUN, mais conhecido como ‘Movimento de Caué’, após ter obtido 4.995 votos.

    O Movimento Basta – que juntou o Partido da Convergência Democrática (PCD) e ex-membros da ADI, obteve um total de 6.788 votos, elegendo dois deputados.

    Nos próximos, o chefe de Estado Carlos Vila Nova vai convocar o líder do ADI, Patrice Trovoada, para formar governo, o 18º executivo constitucional.

    Esta segunda-feira ficou ainda maracda pela decisão do Tribunal Constitucional rejeitar uma coligação pós-eleitoral entre o movimento Basta e os partidos UDD e MDFM/UL para juntar o total de votos.

    O Presidente do Tribunal, Pascoal Daio, concluiu que o pedido da coligação e aproveitamento de votos é ilegal e inconstitucional. “Qualquer tipo de coligação das candidaturas requeridas, não pode proceder a nenhum aproveitamento de votos de umas a favor de outras candidaturas por manifesta ilegalidade e inconstitucionalidade”, vincou o Presidente do Tribunal Constitucional.

    Publicidade

    spot_img
    FonteRFI

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Índia e África do Sul bloqueiam acordo de investimento nas negociações da OMC

    A Índia e a África do Sul apresentaram uma objeção formal contra um acordo de investimento na reunião...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema