Sábado, Maio 25, 2024
15.1 C
Lisboa
More

    Sanções contra Irão elevam tensão na OPEP

    Para impedir o Irão de exportar petróleo sem implodir o preço dessa commodity, os EUA contam com seus recursos nacionais e com seus aliados no Médio Oriente, na tentativa de desestabilizar um já precário equilíbrio da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) – afirmam analistas.

    Em Maio de 2018, o governo americano anunciou a sua saída do acordo internacional sobre a questão nuclear iraniana e a retomada das sanções sobre as exportações de petróleo.

    “No ano passado, os sauditas foram apanhados de surpresa, os países no coração da Opep – como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos – aumentaram a sua produção para compensar as perdas iranianas, mas isenções foram acordadas pela Casa Branca” no último momento, lembrou o analista Riccardo Fabiani, da Energy Aspects.

    Resultado: os preços do petróleo caíram no quarto trimestre, e a Opep e os seus parceiros, entre eles a Rússia, tiveram de ser ainda mais ajustados, quando o seu acordo de restrição da produção foi adoptado em Dezembro.

    De acordo com a France Press, como as decisões tomadas pela Opep têm de ser unânimes, foi difícil obter o consentimento do Irão, desconfiado da aliança entre sauditas e americanos para restabelecer as sanções.

    “Se a Arábia Saudita ajudar os Estados Unidos, é como se atacasse, indiretamente, o Irão”, destacou Bjarne Schieldrop, analista da SEB.

    – Novo cerco –

    No final de Abril, os Estados Unidos decidiram, então, apertar o cerco contra o Irão, cancelando as isenções que permitiam que certos países continuassem a comprar o petróleo do país.

    Como resultado, as tensões certamente voltarão a aumentar na próxima reunião da Opep, no final de Junho em Viena.

    “Isso marcará o fim da Opep como nós a conhecemos, quem sabe?”, pergunta Shieldrop, sublinhando “a dramática mudança” representada pelo aumento da produção de petróleo nos Estados Unidos, que tornou o país “independente das importações de petróleo”.

    “Isso implica que os Estados Unidos podem fazer mais ou menos o que quiserem no Médio Oriente”, segundo esse analista.

    Resta saber se a Arábia Saudita conseguirá manter a unidade da Opep e, ao mesmo tempo, pressionar o Irão.

    “Idealmente, a Arábia Saudita gostaria que a Rússia, a Opep e os seus parceiros fizessem uma frente comum, porque isso dá a impressão de que o grupo é mais forte”, mesmo que apenas um pequeno número de países realmente se esforce para limitar a sua produção, acrescentou Shieldrop.

    “Uma das possíveis soluções seria que os sauditas parassem de reduzir a sua produção além do prometido pela Opep”, disse Fabiani.

    Para recuperar os preços após a queda no final de 2018, o reino foi excessivamente prudente e, em Março, produziu 9,82 milhões de barris por dia (mbd), contra a sua meta de 10,31 mbd.

    Agora, porém, os sauditas estão mais cautelosos.

    “Eles foram humilhados” pelas isenções acertadas no último minuto pelos americanos, explica Fabiani, que estima que desta vez, Arábia Saudita e Emirados Árabes “vão esperar para ver os efeitos concretos do fim das isenções no mercado antes de aumentar sua produção”.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Como é que Itália vê a abertura de Ursula von der Leyen para cooperar com Meloni?

    Meios de comunicação social italianos descrevem a declaração da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, como ousada,...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema