Quarta-feira, Julho 24, 2024
30.8 C
Lisboa
More

    Reunião dos bispos debateu a harmonia

    A Conferência Episcopal de Angola e São Tomé realizou ontem, no Centro de Formação dos Jornalistas (CEFOJOR), uma conferência de imprensa para apresentação da exortação pós-sinodal “Africae Munus”.
    Foi apresentado um documento redigido pelo Papa Bento XVI, que exorta as famílias para que “perante ameaças, como a distorção da noção de matrimónio, a desvalorização da maternidade, a banalização do aborto, a facilitação do divórcio e o relativismo de uma nova ética se torne igreja doméstica, capaz de criar paz e harmonia na sociedade. A veneração e o respeito que África reserva aos idosos podem inspirar o Ocidente como exemplo de estabilidade e ordem social”.
    D. Gabriel Mbilingui, presidente da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé, disse que “a carta redigida pelo Papa Bento XVI, é o documento que tem a missão de conduzir a Igreja em todo mundo, chamando a atenção em particular para o nosso principal trabalho que é a evangelização”.
    O bispo que preside à conferência episcopal afirmou que “a exortação apostólica sublinha que o continente africano tem necessidade do bom governo dos Estados, que se exprime no respeito das Constituições, das eleições livres, de sistemas judiciais independentes, de administrações transparentes que não cedam à corrupção”.
    A carta apresentada na conferência de imprensa resulta da assembleia magna dos bispos do continente africano que aconteceu pela segunda vez na Igreja, sob o tema “África em reconciliação da justiça e  da paz”. O bispo disse que “África é um continente que recebeu a mensagem do Evangelho nos primeiros séculos do cristianismo e na África subsariana a mensagem da boa nova de Cristo que nos reconcilia e chegou há mais de cinco séculos, com o privilégio de Angola ser o primeiro país a sul do Sahara a receber, em 1491, a semente do Evangelho”.
    O presidente da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé, D. Mbilingui, afirmou: “passaram tantos séculos e esta África não conhece o desenvolvimento, a estabilidade, não conhece o sossego que lhe permita o desenvolvimento e a explorar as riquezas, a fraternidade, o sentir-se família e a viver as relações de família”.
    “Os padres devem viver uma vida exemplar no celibato e no desapego em relação aos bens materiais, superando as fronteiras tribais e raciais, sem cair na tentação de se tornarem líderes políticos ou agentes sociais”, concluiu o prelado, em nome dos bispos de Angola e São Tomé.

     

    Fonte: Jornal de Angola

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    EUA: Onde Kamala Harris se posiciona em relação às alterações climáticas e porque é que isto a torna vulnerável aos ataques de Trump

    A retirada de Joe Biden da corrida presidencial de 2024 — cedendo a semanas de pressão após um debate...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema