Sexta-feira, Junho 14, 2024
16.4 C
Lisboa
More

    Refugiados fogem da seca e fome

    O Presidente do Quénia, Mwai Kibaki, e a chanceler alemã, Angela Merkel, apelaram, na terça-feira, em Nairobi, ao apoio da comunidade internacional à crise  que tem assolado a  Somália.
    O chefe da Agência de Refugiados da Organização das Nações Unidas (ACNUR), António Guterres, disse, esta semana, que aquele país vive o pior desastre humanitário do mundo e que os somalis que fugiram da seca e da fome para o Quénia são as pessoas mais pobres e vulneráveis do mundo.
    Mwai Kibaki e Angela Merkel defenderam o reforço do Governo Federal de Transição da Somália e das forças da Missão da União Africana naquele país para a sua estabilização e comprometeram-se a estabelecer uma parceria estreita em assuntos de interesse comum.
    Angela Merkel anunciou que o seu país vai disponibilizar um milhão de euros em programas de intervenção a favor dos refugiados no Quénia provenientes da Somália.
    Merkel reuniu-se com o Presidente Mwai Kibaki, com o primeiro-ministro Raila Odinga, e com o Presidente da Assembleia Nacional, Kenneth Marende, no quadro de um périplo africano que a conduziu igualmente à Nigéria e a Angola. A União Europeia (UE) concedeu uma ajuda humanitária, de 5,7 milhões euros, às populações necessitadas do Corno de África, que inclui a Etiópia, Quénia, Somália e Djibuti.  A ajuda, referiu a União Europeia permitir comprar  víveres para os mais vulneráveis, o tratamento das crianças desnutridas, a protecção do gado e o abastecimento de água.
    A ACNUR revelou que “morrem, cada vez mais, crianças pequenas desnutridas depois de passarem semanas à procua de ajuda humanitária, vítimas do que já se tornou no pior desastre humanitário do mundo”. O número de recém-chegados aos campos de refugiados triplicou e as agências humanitárias internacionais não conseguem fornecer ajuda alimentar na Somália devido à insegurança e à hostilidade do grupo rebelde islâmico Al Shabaab, que controla boa parte do país. Entre 18 e 24 dos recém-chegados, com idades até 5 anos, são desnutridos.
    A União Africana também pediu aos países membros que ajudem as pessoas afectadas pela seca na Somália e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura anunciou que milhões de pessoas passam fome no país e têm necessidade de “ajuda alimentar imediata”. O  líder da Comissão da União Africana, Jean Ping, exortou todos os países membros a contribuírem de acordo com os seus meios para a diminuição do sofrimento das populações afectadas e pediu aos seus parceiros e às organizações humanitárias internacionais que apoiem financeira e logisticamente a região.

    A União Africana prometeu  enviar, brevemente, a Mogadíscio o seu alto representante na Somália, o antigo Presidente do Gana, Jerry John Rawlings, para avaliar a situação, com vista a lançar outros apelos.

    Fonte: Jornal de Angola

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Cimeira do G7 reforça PGII e Itália anuncia contribuição de 320 milhões de dólares para o Corredor do Lobito em Angola

    A Presidente do Conselho de Ministros da Itália e Presidente do G7, Giorgia Meloni, reuniu-se com os outros Líderes...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema