Segunda-feira, Julho 22, 2024
32.8 C
Lisboa
More

    Rebeldes do M23 apoiados pelo Ruanda tomam cidade-chave no leste da RDC

    Os rebeldes do M23, apoiados pelo Ruanda, apoderaram-se de uma cidade estratégica no leste volátil da República Democrática do Congo, disse um funcionário local à AFP no sábado, 29.

    “Kanyabayonga está nas mãos do M23 desde sexta-feira à noite”, disse o funcionário administrativo sob condição de anonimato.

    Kanyabayonga situa-se na frente norte do conflito na província de Kivu do Norte, que tem sido abalada pela violência desde 2021, quando o M23 (Movimento 23 de março) retomou a sua campanha armada na região. A cidade é considerada uma via de acesso aos grandes centros comerciais de Butembo e Beni, no norte.

    Kanyabayonga alberga mais de 60.000 pessoas, bem como dezenas de milhares de pessoas que fugiram para lá nos últimos meses, expulsas das suas casas pelo avanço dos rebeldes.

    A cidade situa-se no território de Lubero, o quarto território da província do Kivu Norte em que o grupo entrou, depois de Rutshuru, Nyiragongo e Masisi.

    “A população está lá (em Kanyabayonga), especialmente aqueles que se deslocaram do território de Rutshuru para Lubero”, disse o funcionário administrativo. “Já não têm para onde ir, a desolação é total, a população está cansada”, acrescentou.

    Um residente disse à AFP que o M23 pediu aos residentes para ficarem em Kanyabayonga, durante uma reunião no centro da cidade realizada pelo porta-voz do M23, Willy Ngoma, no sábado. “Eles vão chegar a Kinshasa, até onde vamos continuar a fugir?”, disse o residente, acrescentando que os rebeldes estão a “prometer-nos paz”.

    “Estamos a assistir a um afluxo de pessoas deslocadas de Miriki, Kirumba e Luofu para o Norte”, disse o administrador militar do território de Lubero, o coronel Alain Kiwewa. “É uma situação que nos preocupa”, acrescentou.

    Fontes locais disseram à AFP na sexta-feira, 28, que os combates entre as forças congolesas e os rebeldes estavam a intensificar-se em torno da cidade.

    Os habitantes das cidades fora de Kanyabayonga também testemunharam combates.

    “Durante toda a noite soaram balas”, disse um líder juvenil em Kayna, que fica a cerca de 17 quilómetros (10 milhas) a norte de Kanyabayonga. O líder dos jovens, que não quis dar o seu nome, disse que aqueles que tinham vindo da zona de Kanyabayonga para a cidade “passaram a noite debaixo das estrelas” e estavam com medo. “Já não sabemos a que santo recorrer”, disse.

    Em Kirumba, a cerca de 25 quilómetros (15 milhas) de Kanyabayonga, a população está em “estado de pânico”, disse um líder da sociedade civil sob condição de anonimato. “Já não nos podemos mexer, para onde é que vamos? Não sabemos para onde ir”, conta o residente.

    Os confrontos “estão a provocar a deslocação de civis”, afirmou o Gabinete Conjunto das Nações Unidas para os Direitos Humanos no seu relatório mensal de sexta-feira.

    “As organizações humanitárias que prestam apoio às pessoas deslocadas suspenderam as suas actividades por razões de segurança”, acrescentou.

    Publicidade

    spot_img
    FonteVOA

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Trump diz que Kamala Harris será mais fácil de derrotar do que Biden

    O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, disse à CNN neste domingo que acha que será...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema