Sábado, Julho 20, 2024
20.1 C
Lisboa
More

    RD Congo revê acordo polêmico de “recursos naturais em troca de infraestrutura” com a China

    O presidente da República Democrática do Congo, Felix Tshisekedi, supervisionou uma cerimónia de assinatura em Kinshasha para a revisão do acordo de mineração de cobre e cobalto da Gecamines, empresa mineira do Congo, com um consórcio de empresas chinesas.

    A última revisão do controverso acordo marca algum progresso para Tshisekedi, que tem negociado com as partes interessadas chinesas a reestruturação do acordo desde que assumiu o poder pela primeira vez em 2019.

    Nos termos revistos, o montante a ser dedicado ao financiamento de infra-estruturas na RD Congo aumentou de 3 mil milhões de dólares para 7 mil milhões de dólares, de acordo com o ministro das infraestruturas e obras públicas. Um desembolso inicial de mais de 700 milhões de dólares deste novo financiamento será disponibilizado este mês para obras rodoviárias de emergência em Kinshasa e outras áreas.

    A RD Congo tem procurado rever o acordo “recursos naturais em troca de infraestruturas” que assinou com a China em 2008, devido a preocupações de que obtenha poucos benefícios do acordo. Isto concede às empresas chinesas Sinohydro e China Railway Group uma participação de 68% numa joint venture de cobre e cobalto com a empresa mineira estatal do Congo, Gecamines. Quando o acordo foi assinado, o cobre e o cobalto ainda não estavam no centro das atenções como hoje devido à aceleração da transição energética e das novas tecnologias.

    No ano passado, o auditor estatal do Congo exigiu que o compromisso de investimento em infraestruturas da China fosse aumentado para 20 mil milhões de dólares, dos 3 mil milhões originais de dólares, para corresponder ao valor das matérias-primas vendidas pelo Estado no âmbito do acordo. A China rejeitou o relatório do auditor.

    Leia mais aqui: “BAD CRITICA EMPRÉSTIMOS LIGADOS AOS RECURSOS NATURAIS DE ÁFRICA, ENQUANTO ANGOLA “DESBLOQUEIA CONSTRANGIMENTOS” COM A CHINA”

    Tshisekedi fez da reformulação do acordo um objetivo fundamental da sua presidência. Embora a revisão para 7 mil milhões de dólares seja importante, ainda está muito longe dos 20 mil milhões de dólares estimados pelo auditor estatal do Congo. A revisão marca, no entanto, pelo menos algum progresso para que Tshisekedi continue a avançar na revisão do controverso acordo, embora vários aspetos do mesmo, como o acordo de participação, permaneçam inalterados.

    Por Editor Económico
    Portal de Angola

    Publicidade

    spot_img
    FonteCGSP

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Apagão global afeta companhias aéreas, bancos e hospitais

    Um dos maiores apagões cibernéticos registrados nos últimos anos afetou várias atividades nesta sexta-feira (19) em todo o planeta,...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema