Terça-feira, Março 5, 2024
15 C
Lisboa
More

    Quiçama vive situação difícil

    O Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, ad-mitiu ontem que os munícipes da Quiçama, sobretudo os das comunas de Quixinge, Demba-Chio e Mumbondo, vivem situações muito difíceis, particularmente em questões de mobilidade e fornecimento de água potável e energia eléctrica.

    Bornito de Sousa chegou a esta conclusão no final de uma visita de 48 horas àquele município de Luanda, onde visitou projectos e empreendimentos sociais e manteve contacto com os habitantes.

    Os munícipes aproveitaram a presença do Vice-Presidente da República para reforçarem o “grito de socorro”.

    Cristóvão Correia, representante da sociedade civil da Quiçama, considerou que a desagregação do município da província do Bengo para Luanda em nada veio contribuir para o seu desenvolvimento.

    Cristóvão Correia, que falava na presença do Vice-Presidente da República, durante o Conselho de Auscultação Municipal, disse haver comunas que, desde o alcance da Independência Nacional, em 1975, nunca tiveram um investimento de grande impacto no sector das estradas.

    O membro da sociedade civil pediu ao Vice-Presidente que seja portador dessa e outras preocupações ao Titular do Poder Executivo.

    Bornito de Sousa garantiu que alguns desses problemas podem ter solução no mais curto espaço de tempo e outros a médio prazo.

    “Uma atenção particular vamos dar a três comunas (Quixinge, Demba-Chio e Mumbondo) que estão numa situação muito difícil”, afirmou o Vice-Presidente, na Muxima, no final de uma reunião do Conselho de Auscultação Municipal.

    Bornito de Sousa, que também visitou as comunas da Muxima (sede municipal) e de Cabo Ledo, teve, na quar-ta-feira, de se deslocar de helicóptero para atingir as comunas de Quixinge, Demba-Chio e Mumbondo, devido à falta de acessos. Além da falta de estradas, os munícipes da Quiçama queixam-se de dificuldades no fornecimento de água potável e energia eléctrica.

    A si-tuação é crítica em Quixinge, Demba-Chio e Mumbondo.

    O Vice-Presidente da República disse tratar-se de uma “situação incompreensível”, pois trata-se de três comunas que “estão dentro do quintal da capital do país”. Com efeito, Bornito de Sousa concorda que é uma situação que deve ser alterada rapidamente com algumas medidas.

    Segundo o Vice-Presiden-te, existem algumas soluções que podem ser encontradas no curto prazo. No caso parti-cular da água potável, realçou o facto de a maior parte das comunas da Quiçama estarem próximas de rios, como o Kwanza e o Longa.

    Relativamente à energia eléctrica, Bornito de Sousa reconheceu que não vai ser possível, a curto prazo, levar a energia da rede normal, mas afirmou que, para já, a solar pode ser uma solução, pois a térmica implica muitos custos com combustível e transporte.

    O principal auxiliar do Titular do Poder Executivo insistiu, entretanto, que uma atenção especial deve ser dada à rede de estradas do município, porque é a partir daí que podem ser resolvidos outros problemas.

    A curto prazo, disse, está prevista a ligação rodoviária para Quixinge, a partir do município do Dondo (Cuanza-Norte), porque o troço é curto e podem ser encontradas soluções imediatas.

    “Há da nossa parte e do governador provincial empenho no sentido de que, no curto espaço de tempo, possam ser resolvidas essas questões”, garantiu o Vice-Presidente da República, que durante toda a visita esteve acompanhado de Sérgio Luther Rescova.

    Quiçama é o município mais extenso da província de Luanda. É neste município onde está o Parque Nacional da Quiçama.

    Desenvolvimento

    No quadro da estratégia de desenvolvimento do município, está prevista a promoção do Pólo Turístico do Cabo Ledo e do Parque Nacional da Quiçama (igualmente visitado pelo Vice-Presidente da República), bem como a construção da Basílica de Nossa Senhora da Muxima.

    Segundo o director do Gabinete de Obras Especiais, Leonel Cruz, a basílica terá capacidade para acolher quatro mil devotos sentados.

    Na mesma esteira, disse, está igualmente em previsão o Plano de Requalificação da Vila da Muxima.
    Com o Pólo Turístico de Cabo Ledo, as autoridades pretendem fazer da zona uma âncora para o desenvolvimento do turismo, conforme avançou Jacob Moisés, director-geral do projecto.

    Com a conclusão do projecto, sublinhou, está prevista a criação de 13 mil novos empregos directos e indirectos.

    Jacob Moisés sublinhou que um dos desafios para a materialização do Pólo Turístico de Cabo Ledo é a aprovação de novos decretos, pois os actuais fazem referência ao Bengo, de que o município anteriormente fazia parte.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Comissões da AN aprovam pedidos de autorização legislativa do PR

    As comissões especializadas da Assembleia Nacional (AN) aprovaram esta terça-feira, em Luanda, os relatórios parecer conjuntos de pedidos de...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema