Quarta-feira, Abril 17, 2024
20 C
Lisboa
More

    Processadores de caju da Costa do Marfim pedem ao governo que renove apoio

    Processadores de castanha de caju na Costa do Marfim pediram ao governo que renove um acordo de subsídio, alertando sobre a falência se o apoio ao setor em dificuldades não estiver disponível, já que dados divulgados na quarta-feira mostraram que apenas 22% da produção foi processada localmente em 2023.

    A Costa do Marfim, o maior produtor mundial de cacau, também se tornou um dos principais produtores de castanha de caju nos últimos anos, mas apenas uma fração das suas castanhas é processada localmente, uma vez que as empresas enfrentam forte concorrência de exportadores asiáticos com maiores recursos.

    O Grupo da Indústria de Caju da Costa do Marfim (GTCI), que representa cinco processadores de caju com capacidade para processar 41 mil toneladas métricas por ano, apelou ao governo numa carta no final de dezembro vista pela Reuters esta semana.

    Solicitou a renovação de um acordo com o Estado que garantia o fornecimento de castanha de caju in natura de até 20% da capacidade de processamento do GTCI no início de cada campanha.

    Com a temporada de processamento de 2024 iminente, o GTCI disse que seus membros corriam o risco de falir sem apoio.

    “Tudo o que pedimos é poder renovar o acordo pelos próximos quatro anos”, dizia a carta.

    Nos últimos dois anos, o apoio estatal anual ao sector do caju ascendeu a cerca de 10 mil milhões de francos CFA (16 milhões de dólares), segundo uma fonte governamental.

    O pedido do GTCI ainda está a ser considerado, uma vez que os dispendiosos subsídios ao caju e ao cacau estão a sobrecarregar os fundos públicos, disse outra fonte do Ministério das Finanças, falando sob condição de anonimato.

    A produção de castanha de caju deverá aumentar para 1,25 milhões de toneladas este ano, cerca de 5% superior à de 2023, disse o ministro da Agricultura, Kobenan Kouassi Adjoumani, aos jornalistas na quarta-feira.

    No ano passado, a Costa do Marfim exportou 849.250 toneladas de castanha de caju, em comparação com 719.900 toneladas em 2022, disse ele, acrescentando que 81% das exportações foram para o Vietname e cerca de 18% para a Índia.

    Adjoumani disse que 265.863 toneladas foram processadas localmente em 2023. Isto representa apenas 22% da produção.

    A Costa do Marfim planeia processar 50% da sua produção até 2026 através de incentivos fiscais e subsídios governamentais, de acordo com o regulador do sector CCA.

    Para apoiar a indústria, os processadores também estão isentos do pagamento de impostos de importação sobre equipamentos e de impostos de exportação sobre castanhas de caju processadas.

    Publicidade

    spot_img
    FonteReuters

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Relação diz “que não há qualquer indício” de que António Costa tenha falado com Lacerda Machado sobre Sines

    O Tribunal da Relação de Lisboa não encontrou nos autos da investigação da Operação Influencer, que resultou na demissão...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema