Segunda-feira, Abril 15, 2024
23.8 C
Lisboa
More

    Paz e reconciliação são valores intrínsecos dos angolanos – PR

    O Presidente da República, João Lourenço, escreveu, esta terça-feira, que a paz e a reconciliação nacional são valores intrínsecos ao rosto de Angola que devem ser exportados além-fronteiras por cada angolano.

    Na sua página do Facebook, referiu que a Bienal de Luanda constitui um instrumento importante para o fomento da cultura de convivência pacífica no continente.

    Sublinhou que o encontro deve influenciar políticos e sociedade civil, pois a paz e a não violência são sinónimos de desenvolvimento.

    Lembrou que a Bienal de Luanda, uma iniciativa da República de Angola, da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e da União Africana (UA), decorre a partir quarta-feira até sexta-feira.

    “Bem vindos a Luanda”, desejou o Chefe de Estado aos mais de 850 participantes de 62 países e mais 50 parceiros, com destaque para Estadistas africanos.

    O evento vai congregar, como oradores, os antigos presidentes da Nigéria, Moçambique e do Malawi, Olusengu Obasanjo, Joaquim Chissano e Joyce Banda.

    A lista de oradores inclui ainda os presidentes da União Africana, Azali Assoumani, da Comissão da União Africana, Moussa Mahamat, e o Conselheiro da União Africana, Kgalema Motlanthe.

    Confirmadas estão as presenças dos presidentes de Cabo Verde, José Maria Neves, São Tomé e Príncipe, Carlos Vila Nova, e da Etiópia, Sahle-WorkZewed, bem como o vice-presidente da Namíbia, Nangolo Mbumba, e da primeira-ministra da Guiné Equatorial, Manuela RokaBotey.

    Para o efeito estão agendados seis painéis de diálogo, no formato de mesa redonda, dos quais destaca-se o I Painel denominado o Diálogo Intergeracional de Alto Nível, que terá como oradores os Chefes de Estados.

    Para assegurar uma ampla participação, o fórum adoptará um formato híbrido das sessões, com participações presencial e virtual no primeiro e segundo dia.

    O programa prevê, também, actividades paralelas, tais como um concerto musical da ResiliArt Angola, com cantores cabo-verdianos, camaroneses e angolanos, exposição de artes e a actuação do grupo nacional de Dança Sassa Tchokwé, bem como momentos de artistas de música gospel.

    Dentre os resultados esperados nesta 3ª edição da Bienal de Luanda, destaque recai para o aprofundamento da partilha de visões sobre a cultura de paz, segurança, cidadania africana, democracia no continente, com a edificação de sociedades mais pacíficas, transformando atitudes e abordagens nos domínios da política, economia e cultura, para o fortalecendo dos pilares do progresso integral do continente.

    Espera-se ainda a articulação com a União Africana para a preparação e realização das actividades do continente inerentes à Paz e Reconciliação em África, em virtude da designação do Presidente da República, João Lourenço, como Campeão da Paz e Reconciliação da União Africana.

    A Bienal de Luanda serve como plataforma de implementação do “Plano de Acção para uma Cultura de Paz em África/Actuemos pela paz”, adoptado em Março de 2013, em Luanda, no Fórum Pan-Africano “Fontes e Recursos para uma Cultura de Paz”.VIC/ADR

    Publicidade

    spot_img
    FonteAngop

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Analistas avaliam preço do petróleo após ataque do Irão a Israel

    Os futuros do petróleo quase não foram afetados pelo ataque sem precedentes do Irão a Israel, com os traders...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema