Sábado, Abril 20, 2024
20 C
Lisboa
More

    Países em desenvolvimento e emergentes precisam de mais de US$ 2 trilhões por ano para enfrentar mudança climática

    Os países em desenvolvimento e emergentes – exceto a China – precisarão de mais de dois trilhões de dólares por ano para financiar o combate à mudança climática, afirma um relatório solicitado pela presidência da COP27 e divulgado nesta terça-feira.

    Quase metade do valor deve ser liberado por investidores externos.

    Os investimentos nos mercados emergentes e países em desenvolvimento – excluindo a China – devem servir para “reduzir as emissões, reforçar a resiliência, enfrentar as perdas e danos provocadas pela mudança climática e restaurar a terra e a natureza”, afirma o relatório de especialistas encomendado pela presidência egípcia da COP27 e a presidência britânica da COP precedente.

    O valor total necessário para os objetivos deve alcançar 2,4 trilhões de dólares por ano até 2030, afirma o documento publicado no terceiro dia da 27ª conferência internacional sobre o clima.

    Do total, aproximadamente US$ 1 trilhão deve proceder de investidores internacionais, de países desenvolvidos ou instituições multilaterais. O restante sairia das próprias economias desses países, de fontes privadas ou públicas.

    O atual nível de investimentos nos países emergentes e economias em desenvolvimento (exceto a China) alcança 500 bilhões de dólares.

    A análise, de 100 páginas, descreve uma série de medidas globais para tentar manter vivo o objetivo de aumento máximo da temperatura de +1,5ºC.

    “Os países ricos deveriam assumir que é do seu próprio interesse”, explicam os economistas Vera Songwe, Nicholas Stern e Amar Bhattacharya, autores do relatório.

    Eles apresentam propostas concretas como a refundação dos bancos multilaterais de desenvolvimento ou o aumento dos empréstimos com taxas de juros reduzidas ou nulas dos países ricos.

    Atualmente, o financiamento climático oscila ao redor de 30 bilhões de dólares. O valor deve dobrar nos próximos três anos.

    Os países emergentes incluem aqueles em desenvolvimento que registraram um grande crescimento nas últimas décadas, como Brasil, Índia, África do Sul, Indonésia ou Vietnã.

    A China, que é a segunda maior economia mundial e a maior emissora de gases do efeito estufa, é um caso à parte.

    O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu na segunda-feira a “revisão” do funcionamento do sistema financeiro internacional para possibilitar a ajuda a países vítimas de catástrofes como o Paquistão, que sofreu inundações históricas este ano.

    AFP

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Terminam audiências de julgamento por escândalo ‘Panama Papers’

    As audiências do julgamento por suposta lavagem de dinheiro contra os fundadores do extinto escritório de advocacia panamenho Mossack...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema