Quarta-feira, Maio 29, 2024
26.4 C
Lisboa
More

    Os desertos da China estão na base de uma revolução energética, colocando a China na vanguarda das energias renováveis

    Das dunas amarelas do deserto de Kubuqi surge o que parece ser um oásis, brilhando em azul sob o céu do norte da China.

    Fileiras após fileiras de centenas de painéis solares cobrem este trecho árido da Mongólia Interior, a cerca de 500 quilômetros (311 milhas) de Pequim para o interior. Eles são a peça central de um projeto gigantesco de energia limpa que fornece eletricidade suficiente para 1,1 milhão de residências.

    O gigantesco site é apenas uma pequena parte do plano do presidente Xi Jinping de concretizar o maior projeto de todos os tempos de capacidade energética produzida pelo homem. Até ao final desta década, a China pretende construir o equivalente a mais 225 destas enormes bases de energias renováveis em vastas áreas do interior do país.

    É uma campanha que promete uma reviravolta em todo o sector energético: reduzir a procura de combustíveis fósseis por parte da China, reduzir a sua dependência das importações de energia e orientar o maior poluidor do mundo num caminho viável para zerar as suas emissões de gases com efeito de estufa.

    Depois de concluídas, as bases renováveis totalizarão 455 gigawatts de turbinas eólicas e painéis solares. Isso representa mais capacidade de geração de energia limpa do que a disponível atualmente em qualquer país fora da China, e quase o tamanho de toda a rede elétrica — incluindo usinas de carvão e reatores nucleares — na Índia, o terceiro maior sistema do mundo.

    A China aumentará a capacidade de energias renováveis para cerca de 3,9 terawatts até 2030, mais de três vezes a quantidade de 2022, afirmou a BNEF no relatório último semana. Al Jaber está instando as nações presentes nos Emirados Árabes Unidos a tentarem aumentar o total global para 11 terawatts.

    A velocidade a que os projectos estão a ser implementados já levou vários analistas a actualizarem as suas estimativas para a adopção de energias renováveis este ano. A China instalará mais de 300 gigawatts de capacidade solar e eólica em 2023, quase o dobro do volume do ano anterior, de acordo com as previsões da BNEF. O total global em 2022 foi de 338 gigawatts.

    O lote inicial de projetos centra-se fortemente nos desertos da China, incluindo o Gobi, no norte, e o Takla Makan, no oeste. Ambos desempenharam um papel fundamental no desenvolvimento da nação, proporcionando fronteiras naturais que protegeram o país de invasores externos e limitaram a expansão terrestre dos seus impérios históricos.

    Também oferecem benefícios para as energias renováveis: céus amplos e planícies abertas com o sol mais consistente e ventos constantes da China. Eles também são escassamente povoados, o que torna muito mais fácil a construção de projetos de grande escala.

    E há uma vantagem econômica. Os terrenos são baratos porque há pouca competição por espaço com grandes empreendimentos agrícolas ou imobiliários, e a vasta escala de muitos empreendimentos pode ajudar a reduzir custos. Esses fatores significam que as bases no deserto estarão provavelmente entre as fontes de energia mais baratas do mundo.

    Isso é potencialmente crucial no momento em que o setor mundial de energia limpa está sob mais pressão financeira em anos, mesmo com o boom das instalações e com cerca de US$ 1 bilhão por dia sendo investidos apenas em energia solar.

    As bases energéticas do deserto também ajudarão a reforçar a procura interna de fornecedores chineses de equipamento de energia renovável, que aumentaram agressivamente a capacidade e enfrentam restrições comerciais ou um maior escrutínio nos mercados de exportação, incluindo os EUA e a União Europeia.

    Um desafio fundamental para a estratégia de Xi para o deserto – e para a adopção mais ampla de energias renováveis pela China – é saber se a infra-estrutura do país consegue acompanhar a torrente de novas energias solares e eólicas. Um boom anterior, e muito menor, nas energias renováveis, em meados da década passada, resultou em milhares de milhões de dólares de equipamentos de energia limpa parados porque a rede não conseguia lidar com o aumento da produção.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Polícia faz novas buscas no caso de influência russa no Parlamento Europeu

    O procurador-geral da Bélgica afirma que um funcionário do Parlamento Europeu desempenhou um "papel significativo" numa presumível operação de...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema