Terça-feira, Maio 21, 2024
14.3 C
Lisboa
More

    Olaf Scholz, pede que China não arme Rússia; EUA avaliam sanções

    O chanceler alemão, Olaf Scholz, fez um alerta nesta quinta-feira para que a China não envie armas para ajudar a guerra da Rússia na Ucrânia e pediu a Pequim que, em vez disso, exerça pressão sobre Moscovo para retirar suas tropas.

    Em um discurso ao Parlamento alemão, Scholz afirmou que era decepcionante a abstenção da China de condenar a invasão russa, embora ele tenha saudado os esforços para reduzir a escala nuclear.

    A China negou qualquer intenção de armar a Rússia e um de seus diplomatas disse à Organização das Nações Unidas (ONU) em 23 de fevereiro que “enviar armas não trará paz”, mas adicionará “combustível ao fogo”.

    As afirmações de Scholz ressaltaram como a resposta internacional à guerra na Ucrânia destacou as divisões globais, com China e Índia evitando condenar a invasão russa ou se juntar ao Ocidente na imposição de sanções.

    As divisões também se manifestaram em uma série de reuniões do G20 na Índia que culminaram em discussões sobre a guerra. A Alemanha disse que planeja combater a “propaganda” russa nas negociações desta semana, enquanto a Rússia acusou nesta quinta-feira os países ocidentais de transformar o evento em uma “farsa”.

    Os Estados Unidos estão sondando aliados próximos sobre a possibilidade de impor novas sanções à China se Pequim fornecer apoio militar à Rússia para a guerra na Ucrânia, disseram fontes à Reuters nesta semana.

    “Minha mensagem para Pequim é clara: use sua influência em Moscovo para pedir a retirada das tropas russas”, disse Scholz, sob aplausos efusivos dos parlamentares. “E não entregue nenhuma arma à agressora Rússia.”

    As consultas dos EUA sobre sanções, que ainda estão em estágio preliminar, visam angariar apoio de vários países, especialmente os do Grupo dos Sete (G7), para coordenar o apoio a possíveis restrições.

    Não ficou claro quais sanções específicas Washington irá propor.

    Espera-se que o papel da China na guerra Rússia-Ucrânia esteja entre os tópicos discutidos quando o presidente dos EUA, Joe Biden, se encontrar com Scholz na Casa Branca na sexta-feira.

    A mensagem contundente de Scholz a Pequim ocorre em um momento de tensões elevadas entre os EUA e a China e enquanto a Alemanha também está reavaliando que tipo de relacionamento deseja com a China, até então um mercado de exportação vital para produtos alemães.

    Publicidade

    spot_img
    FonteREUTERS

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Presidente da República recebe PCA da TotalEnergies, enquanto produção de petróleo em Angola cai para 1,083 milhões bd

    O Presidente da República, João Lourenço, recebeu, esta segunda-feira, em Luanda, o Presidente do Conselho de Administração (PCA) da...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema