Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024
16.9 C
Lisboa
More

    OCDE alerta que a economia global corre o risco de perder impulso

    As economias avançadas do mundo estão caminhando para uma desaceleração cada vez maior, à medida que taxas de juros acentuadamente mais altas têm um forte impacto sobre a atividade que ainda pode se tornar mais aguda , alertou a OCDE.

    O crescimento está a perder dinamismo em muitos países e não aumentará até 2025, quando os rendimentos reais recuperarem do choque inflacionário e os bancos centrais tiverem começado a cortar os custos dos empréstimos, afirmou a organização com sede em Paris.

    A OCDE prevê que o produto interno bruto global se expanda apenas 2,7% no próximo ano, depois dos já fracos 2,9% em 2023. O ritmo só aumentará para 3% em 2025, de acordo com a avaliação.

    Além disso, a OCDE afirmou que os riscos para as previsões estão inclinados para baixo devido ao aumento das tensões geopolíticas, às perspetivas incertas para o comércio e ao risco de que uma política monetária restritiva possa prejudicar as empresas, os gastos dos consumidores e o emprego mais do que o esperado.

    “A inflação está diminuindo, mas o crescimento está desacelerando”, disse a economista-chefe da OCDE Clare Lombardelli em um comunicado. “Estamos projetando uma aterrissagem suave para as economias avançadas, mas isso está longe de ser garantido.”

    A perspectiva sombria aponta para uma longa ressaca da crise inflacionária global que se seguiu à pandemia de Covid e para um aumento nos preços da energia após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

    Os bancos centrais reagiram a isso com alguns dos aumentos de taxas mais acentuados e rápidos da história e indicaram que poderão permanecer em patamares elevados durante algum tempo.

    A OCDE afirmou que, mesmo com a descida das principais medidas de inflação, os indicadores dos preços subjacentes revelam-se rígidos – e a política monetária deve permanecer restritiva até que haja sinais claros de que as pressões subjacentes são duradouramente mais baixas.

    Espera que os cortes nas taxas nos EUA só comecem no segundo semestre de 2024, e não antes da primavera de 2025 na área do euro. Isso contrasta fortemente com as expectativas dos mercados, que atualmente estão avaliando que a Reserva Federal e o Banco Central Europeu facilitará a política já no primeiro semestre do próximo ano.

    A OCDE observou que os mercados emergentes estão geralmente em melhores condições do que as economias avançadas. Entre estes últimos, a Europa está atrás dos EUA, em parte porque os países são mais sensíveis às taxas de juro, uma vez que dependem mais do financiamento bancário, disse a organização.

    Muitos governos enfrentam uma “perspectiva fiscal desafiadora” à medida que os custos do serviço da dívida aumentam, alertou a OCDE. Para responder às exigências do envelhecimento da população e da transição climática, afirmou que os países precisam de fazer esforços mais fortes no curto prazo para criar espaço para despesas futuras.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Dani Alves considerado culpado de violação de uma mulher numa discoteca em Espanha

    O futebolista brasileiro de 40 anos negou qualquer infração durante o julgamento de três dias que decorreu este mês....

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema