Segunda-feira, Junho 24, 2024
24.4 C
Lisboa
More

    O plano ambicioso do Quénia para se tornar um centro de tecnologia limpa em Africa

    Durante anos, o Quénia tem sido líder em África na participação das energias renováveis no seu cabaz energético. Pretende agora capitalizar a indústria em expansão da tecnologia limpa e tornar-se um parceiro da cadeia de abastecimento das principais economias, incluindo os Estados Unidos.

    África possui abundantes minerais essenciais para a transição energética. Tem também uma enorme geração jovem e economias em desenvolvimento, que necessitarão de uma procura crescente de energia nos próximos anos e décadas.

    Mas os países africanos endividados não têm os meios financeiros para se tornarem potências tecnológicas limpas, como a China ou os EUA, porque não podem dar-se ao luxo de desembolsar incentivos e subsídios para estimular a produção de tecnologia verde.

    O problema na transição energética sempre foi o facto de os mercados emergentes, especialmente em África, não conseguirem alcançar o resto do mundo em termos de implantação de energia limpa.

    O Quénia, na África Oriental, tem-se destacado no sector das energias renováveis e procura agora impulsionar a industrialização verde e a produção de energia limpa. No entanto, as suas questões de financiamento são semelhantes às que dificultam a transição energética de África.

    Embora as economias desenvolvidas subsidiem a transição energética, as nações em desenvolvimento em África carecem de recursos para serem líderes em tecnologia limpa.

    As energias renováveis representam 90% do fornecimento de energia do Quénia

    “O Quénia é um líder emergente no panorama global da energia limpa, com as energias renováveis a representar quase 90% da energia gerada e consumida em 2021”, afirma a Agência Internacional de Energia (AIE) .

    A maior fonte de energia limpa no Quénia é a geotérmica: dos 90% de energia renovável, cerca de 47% provêm da energia geotérmica, 30% da energia hidroeléctrica, 12% da energia eólica e 2% da energia solar.

    O Quénia também fez grandes progressos no sentido de alcançar o acesso universal à eletricidade, duplicando o acesso à eletricidade de 32% em 2013 para 75% em 2022. O país está no bom caminho para fornecer eletricidade a toda a sua população até 2030, em linha com os planos nacionais para alcançar a universalidade, de acordo com a AIE.

    No âmbito da Visão 2030 do governo do Quénia, o desenvolvimento de fontes de energia novas e renováveis, a eficiência energética e o aumento do acesso à eletricidade são áreas prioritárias, uma vez que o país pretende fornecer um maior apoio para responder à procura de energia e uma maior integração das energias renováveis.

    Parceria Climática Quénia-EUA

    O Quénia está ansioso por explorar o seu potencial industrial de energia limpa e assinou na semana passada uma Parceria Industrial para o Clima e a Energia Limpa com os Estados Unidos durante a visita de Estado do Presidente William Ruto aos EUA – a primeira visita de Estado de um líder africano à Casa Branca em mais de 15 anos.

    “Através desta parceria, os Estados Unidos e o Quénia planeiam dar prioridade à cooperação nas três áreas de apoio mútuo: implantação de energia limpa, cadeias de abastecimento de energia limpa e industrialização verde”, afirmaram o presidente dos EUA, Joe Biden, e o presidente do Quénia, William Ruto, numa declaração conjunta.

    Os Estados Unidos e o Quénia comprometeram-se a utilizar as suas respetivas vantagens no setor da energia limpa e a desenvolver cadeias de valor resilientes para bens de baixas emissões, incluindo cadeias de abastecimento de veículos elétricos e mobilidade elétrica, tecnologias de captura e armazenamento de carbono, processamento agrícola verde, cozinha limpa tecnologias e data centers verdes.

    Os EUA lançaram compromissos de tecnologia limpa e de investimento com o Quénia, colaborando com empresas que investem no desenvolvimento de energia limpa e em indústrias com utilização intensiva de energia.

    Na semana passada, a Microsoft e o G42 dos Emirados Árabes Unidos, em colaboração com parceiros locais, concordaram em projetar e construir um campus de data center no Quênia que funcionará inteiramente com energia geotérmica renovável.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Biden e Trump se enfrentam em primeiro debate na quinta-feira

    O primeiro debate entre o democrata Joe Biden e o republicano Donald Trump na corrida à Casa Branca, marcado...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema