Segunda-feira, Junho 24, 2024
29.1 C
Lisboa
More

    O FMI deve atender às necessidades dos seus membros globais e adaptar-se aos desafios emergentes, afirma o Presidente do Quénia

    Os actuais direitos de voto no FMI não reflectem as realidades económicas e demográficas de hoje, afirma o Presidente do Quénia, William Ruto.

    Durante mais de oito décadas, o FMI manteve-se como um pilar da estabilidade macroeconómica e financeira global. Originário da conferência de Bretton Woods, na qual participaram 44 delegações, o FMI abrange agora 190 países membros, com os 54 membros de África formando o maior grupo regional. Este crescimento reflecte uma evolução significativa em relação ao quadro original concebido para apoiar o padrão-ouro de taxas de câmbio fixas. O colapso desse sistema há 50 anos transferiu o papel do FMI de subscrever taxas de câmbio fixas para promover taxas de câmbio flexíveis.

    Em resposta a estas mudanças, o FMI evoluiu para uma instituição de financiamento do desenvolvimento. A sua carteira atual é de 112 mil milhões de dólares, distribuídos por 90 países, o que se traduz em pouco mais de 1,2 mil milhões de dólares por mutuário. Excluindo a Argentina (32 mil milhões de dólares), este valor cai para 900 milhões de dólares por mutuário, e ainda para pouco menos de 700 milhões de dólares quando excluindo os três principais mutuários (Argentina, Egipto e Ucrânia), que representam 46 por cento da carteira.

    Se uma conferência semelhante à de Bretton Woods fosse convocada hoje, provavelmente centrar-se-ia nos desafios interligados do desenvolvimento e das alterações climáticas. Conferências globais recentes, incluindo a Cimeira dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e a cimeira climática COP28, sublinharam as nossas deficiências na abordagem destes desafios, principalmente devido ao subfinanciamento e a um sistema financeiro disfuncional.

    O motor crítico do futuro crescimento económico global será o Sul Global, prevendo-se que a África Subsariana duplique a sua quota da força de trabalho global, dos cerca de 13 por cento actuais para 25 por cento até 2050. Abordar este potencial depende da reforma do sistema financeiro multilateral. para responder melhor às realidades atuais, como a vulnerabilidade climática e a fragilidade económica exacerbada pelos choques globais.

    Hoje, existe um amplo consenso sobre quatro áreas-chave da reforma do FMI: instrumentos de empréstimo, emissão de direitos de saque especiais (DSE), resolução de sobre-endividamento e reformas de governação.

    Instrumentos de empréstimo: Existe um amplo consenso sobre a necessidade de dissociar os empréstimos dos sistemas de quotas. A actual “política de acesso excepcional” não é apenas restritiva, mas também impõe sobretaxas punitivas que reflectem um sistema ultrapassado. Os desafios económicos atuais, como as catástrofes e as pandemias induzidas pelo clima, exigem uma recalibração dos instrumentos financeiros para enfrentar estas crises de forma mais flexível.

    Consideremos o caso do Mecanismo de Resiliência e Sustentabilidade (RSF). O RSF é uma inovação bem-vinda que reconhece a vulnerabilidade às alterações climáticas como um factor de fragilidade económica. No entanto, para aceder ao mecanismo de resiliência, um país deve ter um programa do FMI já em vigor. Isto representa um desafio para os países vulneráveis ao clima com uma gestão económica sólida que possam querer aceder ao mecanismo para construir resiliência.

    Direitos de saque especiais: A emissão de DSE continua a ser uma ferramenta vital para a gestão de crises. No entanto, as dotações recentes destacam a necessidade de reformas, com os países de baixo rendimento, que mais necessitam de uma rede de segurança financeira, a receber apenas 2,4 por cento da dotação de 2021. Todo o continente africano recebeu apenas 5,2 por cento. Em contrapartida, as economias desenvolvidas – que não necessitam de apoio financeiro – receberam 64 por cento. As nações mais ricas comprometeram-se a redireccionar 100 mil milhões de dólares em DES para apoiar países vulneráveis. Embora estes compromissos tenham aumentado a capacidade do FMI e proporcionado financiamento inicial ao RSF, a lenta implementação destes fundos sublinha as ineficiências nas práticas actuais.

    Sobre-endividamento: O mundo em desenvolvimento enfrenta uma crise de dívida que lembra as condições que levaram à iniciativa do FMI e do Banco Mundial para os Países Pobres Altamente Endividados, nos finais da década de 1990. O último relatório da dívida internacional do Banco Mundial confirma este prognóstico, informando que os incumprimentos soberanos em 10 países nos últimos três anos ultrapassam o total das duas décadas anteriores. Além disso, o número de economias de mercado emergentes com spreads de rendimento de obrigações em território de dificuldades (1.000 pontos base ou mais em relação às obrigações comparáveis do Tesouro dos EUA) aumentou dez vezes, de 2 para 20 desde 2020. Com o aumento das taxas de juro a agravar os desafios do serviço da dívida, há uma necessidade urgente de programas abrangentes de refinanciamento da dívida, semelhantes à resposta do Plano Brady à crise da dívida latino-americana da década de 1980, para proporcionar alívio e apoiar o desenvolvimento sustentável.

    Reformas de governação: A governação económica global ficou atrás da ascensão económica do Sul Global e de outras mudanças geopolíticas. Os actuais direitos de voto nas instituições financeiras internacionais não reflectem as realidades económicas e demográficas de hoje, particularmente as contribuições significativas do Sul Global, que já representa metade do PIB global e 80 por cento da população mundial. Os princípios de governação corporativa sugerem a necessidade de uma representação e independência mais equitativas nos processos de tomada de decisão.

    A relevância futura do FMI dependerá da sua capacidade de se adaptar a estes desafios emergentes e de ouvir as necessidades dos seus membros globais. O caminho a seguir envolve reformas significativas, mas com esforços cooperativos e concertados, é possível garantir que o FMI continue a ser uma pedra angular da estabilidade global para as gerações vindouras.

    Por William Ruto, Presidente do Quénia
    Finance & Development – FMI

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Biden e Trump se enfrentam em primeiro debate na quinta-feira

    O primeiro debate entre o democrata Joe Biden e o republicano Donald Trump na corrida à Casa Branca, marcado...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema