Quinta-feira, Julho 18, 2024
20.4 C
Lisboa
More

    O Brasil está à empurrar os EUA para fora do maior mercado de soja do mundo a China

    O mercado mundial de soja é dominado por um grande comprador: a China e um grande vendedor: Os Estados Unidos. Durante anos, o Brasil conquistou uma parcela cada vez maior desse comércio dos EUA.

    Agora, o Brasil começa a dominar o mercado, empurrando os EUA para trás. Anunciou esta sexta-feira a Bloomberg.

    Os compradores chineses estão comprando a soja brasileira para entrega em outubro, uma época do ano em que as exportações dos EUA normalmente estão no auge, de acordo com pessoas familiarizadas com os negócios.

    As vendas ocorrem no momento em que o Brasil está colhendo uma safra recorde e oferecendo preços muito mais baixos do que os produtores rivais. Eles também refletem o plano do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de buscar relações mais estreitas com a China como parte de seu plano de crescimento para a maior economia da América Latina.

    Os agricultores americanos estão perdendo a sua vantagem competitiva nos mercados agrícolas globais à medida que a produção brasileira se expande. As tensões geopolíticas também levaram a China a buscar laços mais profundos com a nação sul-americana e reduzir sua dependência histórica dos EUA.

    O plano de Lula para aprofundar as relações com a China inclui obter mais recursos do país asiático e reduzir o papel do dólar nas transações de comércio exterior. A viagem de uma delegação brasileira à China no início deste ano rendeu mais de 15 acordos no valor de cerca de US$ 10 bilhões em promessas de investimentos chineses.

    Atualmente, é lucrativo para os processadores chineses esmagar grãos brasileiros para fazer óleo de cozinha e ração animal, enquanto as margens são negativas para os suprimentos dos EUA, mostram dados compilados pela Bloomberg. Como resultado, os compradores chineses estão comprando cargas brasileiras de soja no início da temporada.

    De facto, as compras foram tão antecipadas que já há cinco navios programados para receber cargas no Brasil em setembro, segundo a agência marítima Alphamar. Este é o primeiro momento da temporada para esse tipo de comércio, mostram dados de remessa.

    “Existem grandes estoques nas fazendas agora que chegarão aos portos nos próximos meses, então veremos mais navios na programação em breve”, disse Arthur Neto, diretor comercial da Alphamar.

    As compras também ocorrem no momento em que as safras dos EUA , que normalmente são colhidas a partir de setembro, estão sob pressão do clima quente e seco. Em junho, a safra de soja americana estava na pior condição em três décadas, antes do retorno das chuvas.

    Ainda assim, o tempo está definido para ficar quente e seco novamente. Os contratos futuros de soja em Chicago subiram mais de 5% neste trimestre, para cerca de US$ 14,20.

    “Do ponto de vista do clima, a chance de uma melhoria nas condições da safra não é alta”, disse a corretora chinesa Huatai Futures em relatório esta sexta-feira. “É improvável que a oferta da nova safra de soja dos EUA se expanda muito.”

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    ‘Projeto 2025’, o programa ultraconservador que promete uma ‘revolução’ nos EUA

    No início da semana, o Partido Republicano adotou o seu programa político para um eventual próximo governo, mas é...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema