Sábado, Julho 20, 2024
20.1 C
Lisboa
More

    Morte de um garimpeiro alegadamente pela polícia provoca confrontos no Cuango

    Polícia é acusado de matar um garimpeiro encontrado com materiais para extraçao de diamantes, corporação abre investigação

    No município do Cuango, província diamantífera angolana da Lunda Norte, a Polícia Nacional (PN) usou armas de fogo para dispersar uma multidão que na manhã desta quinta-feira, 14, manifestava-se contra a morte a tiros de um garimpeiro supostamente por agentes daquela corporação.

    O representante local dos Direitos Humanos, Jordan Muacabinza, disse que o jovem identificado por Amado João Mulesse, de 23 anos de idade, foi morto à queima-roupa e mais tarde carbonizado por agentes da polícia depois de ser surpreendido com material artesanal de extração de diamantes.

    A ação da polícia, ainda segundo Muacabinza, terá sido motivada pelo fato de os resedentes terem decidido levar o cadáver carbonizado à esquadra local da corporação em sinal de protesto, .

    Aquele ativista descreveu o ambiente vivido na noite de ontem e manhã desta quinta-feira como sendo de “pânico e de violência”, confirmando as imagens que circulam nas redes sociais.

    Agente da polícia preso e corporação abre investigação

    “Há detenções e muitos feridos por identificar incluindo uma criança que foi atropelada por motociclista da polícia por altura da debandada”, concluiu Jordan Muacabinza.

    Entretanto, o comando provincial da PN nda Lunda Norte informou ter aberto “um processo de averiguação” para apurar os reais motivos que estiveram na base do “incidente táctico policial”, apelou à calma e endereçou condolências à família.

    Em declarações à Voz da América, o porta-voz, superintendente Domingos Muanafumo, disse que o presumível autor está detido para consequente responsabilização criminal e disciplinar.

    Muanafumo justificou os confrontos ocorridos nesta quinta-feira,14, com o fato de a população ter transportado o cadáver até à esquadra policial e de ter feito barricadas e queima de pneus na via pública “num ato de rebelião”.

    A UNITA, o maior partido na oposição, exigiu a responsabilização dos implicados, de acordo com o deputado Joaquim Nafoia.

    “Aquilo é um matador humano”, acusou Nafoia numa referência ao Cafunfo, região conhecida por revoltas de populares contra a polícia.

    Cafunfo 2021

    Em Janeiro de 2021 as autoridades angolanas tinham classificado como “rebelião e tentativa de assalto” à esquadra da região vizinha de Cafunfo, os tumultos registados e de que resultaram na morte de cerca de dezenas de pessoas.

    Na sequência daquela ação, o Ministério Público (MP) acusou o líder do Movimento do Protectorado da Lunda Tchokwe, José Mateus Zecamutchima, e mais 25 manifestantes envolvidos em protestos foram julgados e condenados “pela prática dos crimes de ultraje ao Estado e seus símbolos e associação de malfeitores”.

    Zecamutchima foi apontado como o cabecilha deste alegado “ato de rebelião”, que para os cidadãos locais era uma “manifestação pacífica”.

    Aquele ativista foi, então, condenado a uma pena de quatro anos de prisão, mas em março de 2023 um tribunal ordenou a sua libertação ao abrigo de uma amnistia governamental.

    Por Venâncio Rodrigues

    Publicidade

    spot_img
    FonteVOA

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Apagão global afeta companhias aéreas, bancos e hospitais

    Um dos maiores apagões cibernéticos registrados nos últimos anos afetou várias atividades nesta sexta-feira (19) em todo o planeta,...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema