Domingo, Março 3, 2024
9.8 C
Lisboa
More

    Moçambique prepara plano de transição energética de 80 mil milhões de dólares baseado no potencial hidroelétrico do Rio Zambeze

    Moçambique pretende tornar-se um dos maiores produtores hidroelétricos de África e lançar uma indústria de hidrogénio verde.

    O governo planeia adicionar 14.000 megawatts de capacidade hidroelétrica, sendo a maior parte desenvolvida entre 2030 e 2040, afirmou o governo numa Estratégia de Transição Energética de 60 páginas vista pela Bloomberg. Um programa de hidrogênio será definido este ano, afirma o documento, que não foi divulgado publicamente.

    A proposta é um modelo de como uma das nações mais pobres do mundo pretende aproveitar o seu potencial de energia verde para impulsionar o crescimento e industrializar o que, meio século depois de alcançar a independência de Portugal, continua a ser uma economia agrária em grande parte empobrecida.

    “Moçambique possui vastos ativos energéticos”, afirmou o governo, que estima o custo da transição em 80 mil milhões de dólares até 2050. “A utilização estratégica destes ativos energéticos pode acelerar a transição para uma economia industrializada de rendimento médio.”

    O plano de transição energética, embora ambicioso, tem semelhanças com os anunciados pela África do Sul, Senegal, Indonésia e Vietname, que atraíram coletivamente promessas de financiamento de 47 mil milhões de dólares de algumas das nações mais ricas do mundo.

    No centro da proposta está o rio Zambeze, o quarto mais longo de África. O país já opera a central eléctrica de Cahora Bassa, de 2.075 megawatts, no rio, e um grupo liderado pela TotalEnergies SE e pela japonesa Sumitomo Corp. está a construir a barragem de Mphanda Nkuwa, de 1.500 megawatts e no valor de 5 mil milhões de dólares.

    Na década até 2040, Moçambique pretende adicionar 9.000 megawatts de energia hidrelétrica e mais na década seguinte, atraindo investimento para centrais, à semelhança do modelo que seguiu com Mphanda Nkuwa, segundo o documento.

    O governo, que enfatizou repetidamente a necessidade de investimento privado, uma vez que não pode financiar os programas sozinho, também quer estabelecer parques industriais para utilizar a energia limpa. Prevê-se que milhares de milhões de dólares em receitas esperadas provenientes de projetos de gás natural no norte do país transformarão a economia, mas a construção foi adiada por uma insurreição militante islâmica.

    Tal expansão permitiria a Moçambique competir com a Etiópia e a República Democrática do Congo no fornecimento de energia a partir de recursos hídricos. A Etiópia construiu uma central hidroeléctrica gigante no Nilo Azul, enquanto o Congo propôs há muito tempo a construção do Grande Inga , que seria potencialmente o maior projeto hidroelétrico do mundo.

    Um dos passos iniciais é manter os 1.150 megawatts que vende à África do Sul a partir de Cahora Bassa quando esse contrato terminar em 2030.

    Embora as exportações não sejam completamente interrompidas, o objetivo será que Moçambique utilize o máximo dos seus próprios recursos para impulsionar o desenvolvimento e a eletrificação, com 51% da sua população a ter acesso à energia agora, em comparação com 26% em 2017. Segundo o governo os novos acordos de exportação serão mais curtos e com melhores condições.

    Moçambique também quer alargar a sua rede de transmissão elétrica, o que no seu estado atual impede que a energia hidrelétrica de Cahora Bassa chegue à capital, Maputo. Uma expansão permitiria conectar usinas solares e eólicas.

    No geral, a meta é adicionar 7.500 megawatts de energia solar e até 2.500 megawatts de energia eólica.

    Outros programas para descarbonizar a economia incluem desencorajar a utilização de lenha e carvão para cozinhar, ligando mais pessoas à rede e disponibilizando facilmente gás natural liquefeito. O transporte público será substituído pelo diesel por alternativas mais limpas.

    Ao detalhar os seus planos, Moçambique junta-se a vários países africanos que tentam atrair investimentos para as energias renováveis. A África do Sul e o Uganda estão entre aqueles que elaboraram programas para fazer a transição das suas indústrias energéticas para longe dos combustíveis fósseis.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Líder da Junta Militar do Chade anuncia candidatura depois do assassinato do líder da oposição

    O líder da Junta Militar do Chade, Mahamat Idriss Deby Itno, anunciou neste sábado, 2, a sua candidatura às...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema