Terça-feira, Março 5, 2024
10.7 C
Lisboa
More

    Moçambique deu 48 horas a Diamantino Miranda para sair do país

    Responsáveis do Governo indignados com afirmações do técnico português, que disse ter sido provocado e se despediu em lágrimas.

    Carreira de Diamantino Miranda em Moçambique interrompida (DR)
    Carreira de Diamantino Miranda em Moçambique interrompida (DR)

    O treinador português Diamantino Miranda viu ser-lhe revogada, pelo Ministério do Trabalho moçambicano, a autorização para permanecer no país, onde cumpria a segunda temporada no comando técnico do Costa do Sol. Na origem do incidente estão as declarações polémicas que o técnico fez há duas semanas: “Todos aqui são ladrões. Vocês são todos uma cambada de ladrões, você e outros jornalistas são pagos por um prato de sopa. Este país não é sério”, disse o ex-internacional português, segundo a gravação de um canal de rádio, após a derrota (1-2) sofrida no terreno do Vilankulo. O técnico contestou várias das decisões tomadas pela equipa de arbitragem durante a partida.

    Nesta quinta-feira, em conferência de imprensa, Diamantino Miranda defendeu-se dizendo que foi provocado, e despediu-se de Moçambique com lágrimas. “Não me apercebi que aquela discussão, que eu tive com uma pessoa que mais tarde vim a saber que era jornalista, tinha sido gravada”, confessou o técnico, que pediu desculpas. “Levo o povo moçambicano no coração. Espero que a verdade seja reposta e que um dia regresse a Moçambique”.

    O técnico tinha sido preventivamente suspenso pela Liga Moçambicana de Futebol. Mas, nesta quinta-feira, a ministra do Trabalho Maria Helena Taipo revogou “com efeitos imediatos, a autorização implícita de trabalho em Moçambique, concedida a Diamantino Miranda, como treinador da equipa principal do Clube de Desportos da Costa do Sol, a qual ainda carecia de regularização e cuja moratória terminava em Dezembro deste ano”. “O cidadão em causa, e à luz do despacho em referência, deverá abandonar o país, nos termos legalmente estabelecidos”, pode ainda ler-se. Diamantino Miranda tinha 48 horas para deixar Moçambique, o que deverá acontecer até sábado. O PÚBLICO tentou contactar o treinador português, mas as tentativas não surtiram resultados.

    O incidente assumiu importância nacional em Moçambique quando Governo considerou o caso como “assunto de Estado”. “A dignidade, auto-estima e a imagem de Moçambique e dos moçambicanos ficaram abaladas com as palavras de Diamantino Miranda, por isso é que este é, desde já, um assunto de Estado e não meramente desportivo. Tomaremos medidas exemplares para que sejam lição para os outros”, disse José Dimitri, Inspector Nacional dos Desportos e porta-voz do Ministério da Juventude e Desportos, citado pela agência Lusa.

    Este não é o primeiro incidente em que Diamantino Miranda se viu envolvido em Moçambique. No início de Junho, na sequência de uma inspecção do Ministério do Trabalho, o nome do técnico constava numa lista de 27 futebolistas e treinadores a serem repatriados por estarem a trabalhar ilegalmente no país. Diamantino Miranda seria mais tarde autorizado a regressar ao trabalho. (publico.pt)

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Emirados Árabes Unidos convocarão uma reunião sobre financiamento climático em preparação para a COP29

    Os Emirados Árabes Unidos reunirão representantes dos países e líderes de instituições financeiras globais numa reunião especial em junho,...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema