Sábado, Março 2, 2024
14.8 C
Lisboa
More

    Ministério da Geologia e Minas quer arranque efectivo do Planageo

    Francisco Queiróz, Ministro da Geología e Minas (ANGOP)
    Francisco Queiróz, Ministro da Geología e Minas (ANGOP)

    O Ministério da Geologia Minas perspectiva para este ano o arranque efectivo do Plano Nacional de Geologia (PLANAGEO ), para que no prazo de três a cinco anos se comesse a captar investimento estrangeiro e se cumpra, no plano internacional, com as obrigações no processo Klimberley, considerou, em Luanda, o titular da pasta, Francisco Queiróz.

    Em entrevista exclusiva nesta quinta-feira à Angop, o ministro da Geologia e Minas afirmou ser também perspectiva para este ano (2014) continuar as acções realizadas em 2013, como a organização institucional, com base no Código Mineiro, sanear económica e financeiramente as empresas que estão com dificuldades, sobretudo no sector dos diamantes e do ferro, apontando no entanto, os projectos de Kassinga e de Kassala Kitungo cuja empresa apresenta dificuldades.

    “As perspectivas são boas. Estamos optimistas quanto ao futuro do sector. O Planageo vai criar condições para uma viragem profunda na exploração mineira em Angola e consequentemente na arrecadação de receitas para o Estado, na criação de emprego e desta forma, combater a fome e a pobreza e melhorar as condições de vida da população”, sublinhou o governante.

    Francisco Queiróz referiu que o sector vai continuar a trabalhar para captar investidores, dando a conhecer o potencial angolano, divulgar o Planageo e o quadro regulador da actividade mineira no país, e igualmente dando a conhecer o grande mercado que Angola é como potência regional e país emergente que tem grande interesse em investir a nível mundial.

    Em relação à eleição de Angola ao posto de vice-presidente do processo Kimberley, Francisco Queiróz sublinhou que a mesma representa uma grande vitória diplomática do país.

    Angola é um país respeitado, não só pela sua actuação a nível interno, pois conseguiu resolver por si próprio o conflito armado, está num processo de integração social muito bem sucedido, em dez anos deu-se uma volta profunda com a criação de infra-estruturas económicas e sociais, acrescentou o ministro.

    No domínio internacional, disse, Angola também é respeitada devido a uma grande experiência interna que possui, e com ela, ajuda outros países que têm as mesmas dificuldades.

    “Por causa da forte liderança do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, Angola tem sido escolhida para liderar processos e creio que terá sido este aspecto que levou que Angola fosse eleita a vice-presidente do Processo Kimberley”, pontualizou.

    “Por isso, a eleição de Angola constitui um desafio que certamente o Executivo angolano dará resposta, transmitindo a sua experiência e fazendo com que o processo kimberley seja um instrumento cada vez mais forte, eficaz e mais actuante no interesse da comunidade diamantífera mundial”- concluiu. (portalangop.co.ao)

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    PGR realça empenho no combate à criminalidade económico-financeira

    O Procurador-Geral da República (PGR), Hélder Pitta Groz, sublinhou esta sexta-feira, em Luanda, que o esforço e empenho da...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema