Sexta-feira, Abril 19, 2024
16.7 C
Lisboa
More

    Medida sobre redução do valor mínimo foi destacada pelos cidadãos de Luanda

    A redução pelo Executivo, através do Banco Nacional de Angola (BNA), do valor mínimo para a abertura de conta bancária a cem kwanzas foi enaltecida pela população da capital, para quem a medida facilita a bancarização do dinheiro.
    Abordada pela Angop, a maioria dos citadinos foi unânime em afirmar que a medida vai beneficiar significativamente a população mais desfavorecida financeiramente, bem como aqueles que não possuem bilhete de identidade, devendo fazê-lo com qualquer documento válido.
    Jaime Fortuna, economista e docente universitário, afirmou que a baixa do valor mínimo para 100 kwanzas vai permitir a socialização da população na adesão dos serviços bancários, bem como possibilitar ao Executivo diminuir a quantidade de recursos fora do sistema monetário.
    “Essa medida vai facilitar a inclusão de mais pessoas no sistema bancário e estimular a poupança das famílias, que se torna num processo mais natural. Com essa estratégia se vai, certamente, diminuir o dinheiro fora do circuito e, com isto, dar-se maior eficiência ao sistema monetário e a economia nacional só ganha”, sustentou. Por seu lado, o professor Mário Pinto de Andrade louvou a iniciativa do Executivo porque, na sua óptica, não era possível em Angola um cidadão abrir conta com o valor exigido anteriormente, por considerar o valor elevado, fazendo com que poucas pessoas abrissem contas.
    O analista político ressaltou a existência de elevado valor fora do sistema bancário (cerca de 200 mil milhões de kwanzas – o equivalente a dois mil milhões de dólares), salientando que a maior parte do dinheiro deve estar dentro do sistema bancário, até porque fica mais seguro e permite aos bancos praticarem taxas de juro favoráveis.
    Para a técnica média de Gestão Empresarial, Débora da Silva, a medida é salutar, mas apelas às instituições bancárias envolvidas no processo a melhor organizarem-se para corresponderem à demanda que se prevê elevada, principalmente o Banco de Poupança e Crédito (BPC), que diariamente regista grandes enchentes.
    Essa nova política cambial do Banco Central resulta de um protocolo com oito bancos comerciais, nomeadamente o de Poupança e Crédito (BPC), de Negócios Internacional (BNI), Sol, Comercial Angolano (BCA), Fomento Angola (BFA), Keve, banco BAI Micro-Finanças e o de Investimentos e Crédito (BIC).

    A iniciativa culminou com o lançamento, no início deste mês, do produto “Depósito Bankita”, que permite a abertura de conta com o valor mínimo de 100 kwanzas e a apresentação de qualquer documento válido, visando essencialmente a inserção de todos os cidadãos no sistema bancário.

    Fonte: Jornal de Angola

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    FMI altera regras para acelerar acordos de dívida com países em desenvolvimento e evitar atrasos causados pela China

    O conselho executivo do Fundo Monetário Internacional apoiou uma mudança importante para dar-lhe mais liberdade para apoiar países em...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema