Terça-feira, Março 5, 2024
11.3 C
Lisboa
More

    Mali Vive Pior Crise desde Independência

    O Mali vive a sua pior crise desde a independência em 1960, segundo a Amnistia Internacional. Num relatório que publica esta quarta-feira este grupo dos direitos humanos diz que as deslocações das populações, os abusos dos direitos humanos e a falta de alimentos (que aliás se sente em toda a região do Sahel) atiraram com o país para uma crise depois de viver duas décadas de relativa estabilidade e paz.

    Durante uma visita de três semanas ao Mali, os investigadores da Amnistia internacional, viram uma litania de abusos.

    No relatório dizem que o norte do país está nas mãos de grupos armados que descrevem como “grupos de arrastão.”

    Testemunhas dizem que os grupos armados de Tuaregue e de islâmicos praticaram uma série de abusos, incluindo violações sexuais, execução de soldados, e recrutamento de crianças soldado algumas com menos de 12 anos.

    Salvatore Sagues, da amnistia, é um dos autores do relatório. Ele diz que os grupos islâmicos estão também a tentar impor novos comportamentos às populações.

    “À população está a ser ordenado que deixe de beber álcool. Os homens têm que usar barba. As mulheres têm que envergar o véu. Os jovens não podem ouvir música a menos que seja religiosa. Os jovens não podem estar juntos se for um rapaz e uma rapariga que não sejam casados. E os que desobedeçam podem ser severamente castigados.”

    Segundo o investigador uma pessoa acusada de beber álcool recebeu 40 chicotadas no corpo. E os abusos não se limitam aos grupos armados.

    “O governo maliano também cometeu graves abusos dos direitos humanos. Tiveram como alvo a população Tuaregue. Bombardearam indiscriminadamente campos e mataram pelo menos 1 menina de 4 anos e outros Tuaregue.”

    A crise no Mali surge durante uma severa falta de alimentos que atinge toda a região do Sahel e que segundo o programa Alimentar Mundial (PAM) afecta cerca de 15 milhões de pessoas.

    Oficiais do exército tomaram o poder num golpe em Março afirmando que o governo fracassara em pôr termo à rebelião dos Tuaregue no Norte. Os rebeldes controlam agora dois-terços do país.

    Apesar da pressão da Comunidade Económica da África ocidental, CEDEAO, e doadores ocidentais não é claro quando o país voltará a uma administração civil plena.

    Sagues afirma que a transição é crucial se quisermos terminar os abusos.

    “Enquanto a crise não for resolvida em Bamaco penso ser difícil existir uma posição unificada no resto do Mali relativamente à crise.”

    Durante a missão de investigação ao Mali, os delegados da Amnistia visitaram Bamaco, a capital, e quatro campos de refugiados no Níger.

    Fonte: VOA

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Emirados Árabes Unidos convocarão uma reunião sobre financiamento climático em preparação para a COP29

    Os Emirados Árabes Unidos reunirão representantes dos países e líderes de instituições financeiras globais numa reunião especial em junho,...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema