Segunda-feira, Julho 22, 2024
32.8 C
Lisboa
More

    Mais investimento no desenvolvimento de capital humano é essencial para o potencial de crescimento de África, diz OCDE

    Melhorar o acesso e a qualidade do capital humano ajudará a África a aproveitar o potencial de uma força de trabalho de jovens africanos em rápido crescimento e cada vez mais qualificada, de acordo com a edição de 2024 do documento da OCDE “Dinâmicas de Desenvolvimento de África: Competências, Emprego e Produtividade” publicado na sexta-feira.

    Segundo o relatório da OCDE, oitenta e cinco por cento do aumento total esperado na população global em idade ativa até 2050 estará na África. A população em idade ativa (15-64 anos) quase dobrará na África até aquele ano, de 849 milhões em 2024 para 1,56 bilhão em 2050. Esses novos ingressantes no mercado de trabalho serão mais educados do que as gerações anteriores, já que o número total de jovens africanos concluindo o ensino secundário ou terciário mais que dobrará, de 103 milhões para 240 milhões, entre 2020 e 2040. Eles estarão no mercado de trabalho em economias dinâmicas; o crescimento do PIB da África está projetado para aumentar de 3,2% em 2023 para 3,5% em 2024 e atingir uma taxa média de 4,0% em 2025, ultrapassando a América Latina e o Caribe (2,5%) e logo atrás da Ásia em desenvolvimento (4,8%), em comparação com 3,2% para o mundo.

    De acordo com o relatório, muitas economias africanas estão enfrentando um desafio duplo: os trabalhadores não têm as qualificações específicas exigidas pelos empregos existentes, enquanto não há empregos de qualidade suficientes disponíveis para dar aos trabalhadores um incentivo para desenvolver ainda mais as suas habilidades. Mais de 80% dos jovens africanos na escola aspiram trabalhar em ocupações altamente qualificadas, mas apenas 8% encontram tais empregos.

    A escassez de habilidades – notavelmente em setores como agroalimentar, energias renováveis e mineração – impede o investimento privado. No final, um ciclo de oferta insuficiente de trabalhadores qualificados e baixa demanda por habilidades criadas por novos empregos mantém as economias amplamente informais. Estima-se que 82% de todos os trabalhadores na África estejam empregados em atividades informais – principalmente mal pagas, de baixa qualidade e baixa proteção – em comparação com 56% na América Latina e no Caribe e 73% na Ásia em desenvolvimento.

    O relatório conclui que a qualidade e a quantidade da educação na África continuam baixas em comparação com outras regiões do mundo. Em 2021, em média, os governos africanos alocaram 3,7% do seu PIB para a educação, ou 14,5% do seu gasto público total. Estes estão ligeiramente abaixo dos parâmetros internacionais de pelo menos 4% do PIB e 15% do gasto público total. Dezasseis dos 42 países africanos com dados disponíveis para 2020-23 não atingiram esses parâmetros internacionais.

    O desenvolvimento de habilidades, juntamente com melhores empregos, aumentará a produtividade de milhões de trabalhadores. O relatório indica que cada ano adicional de educação pode impulsionar os ganhos dos alunos africanos em até 11,4%, o maior retorno à educação do que em qualquer outra região.

    A Dinâmica de Desenvolvimento da África 2024 identifica diversas recomendações de políticas para ajudar a fechar as lacunas educacionais e de habilidades da África:

    – Expandir a educação de qualidade por meio de melhores gastos: intervenções com boa relação custo-benefício, como treinamento de professores, pedagogia estruturada e ensino direcionado por nível de aprendizagem, além de participação em avaliações de aprendizagem nacionais, regionais e internacionais.

    – Desenvolver estratégias nacionais de habilidades para setores emergentes de alto potencial específicos de cada país africano, incluindo as novas habilidades exigidas pelas indústrias digitais e verdes.

    – Fortalecer os esforços de coleta de dados e a qualidade dos sistemas de informação do mercado de trabalho (LMIS): aumentar a frequência das pesquisas de mercado de trabalho e promover a colaboração do setor privado para avaliar melhor a oferta e a demanda de habilidades.

    – Melhorar a produtividade e a empregabilidade dos trabalhadores informais, especialmente das mulheres, por meio da formação e do reconhecimento das competências adquiridas nas atividades informais.

    – Investir em instituições de ensino e formação técnica e profissional, promovendo parcerias mais fortes com o setor privado para desenvolver currículos mais relevantes, particularmente em competências digitais.

    – Harmonizar estruturas regionais para o desenvolvimento de habilidades: fortalecer parcerias internacionais e intercâmbios universitários.

    O relatório também analisa áreas estratégicas onde as cinco regiões da África têm o maior potencial para aumentar a produtividade graças a uma força de trabalho mais qualificada: mineração na África Central e Meridional, tecnologia digital na África Oriental, energia renovável no Norte da África e agroalimentar na África Ocidental.

    Por: Editor Económico
    Portal de Angola

    Publicidade

    spot_img
    FonteOCDE

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Trump diz que Kamala Harris será mais fácil de derrotar do que Biden

    O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, disse à CNN neste domingo que acha que será...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema