Quinta-feira, Julho 18, 2024
29.7 C
Lisboa
More

    Lixo origina processo contra governantes em Benguela

    O vice-governador de Benguela para as Infra-Estruturas, Henriques Kalenga, e altos funcionários do executivo do general Armando da Cruz Neto, constam de uma queixa apresentada à Direcção Provincial de Investigação Criminal (DPIC), acusados de crime de extorsão de valores monetários.

    Segundo a participação criminal, a que O PAÍS teve acesso, a empresa Sonauto, que detinha um contrato de prestação de serviço com o Governo Provincial de Benguela há cerca de cinco anos para os serviços de limpeza em várias zonas da cidade, viu terminado o referido acordo sem o cumprimento das formalidades da sua rescisão. A participação criminal ,assinada pelo advogado Sérgio Raimundo, aponta uma série de factos descritos como reais em que a rescisão contratual fora das normas estabelecidas, deveu-se ao facto de a direcção da Sonauto ter rejeitado pagar ‘luvas’ que lhes permitiria continuar o contrato que tinha com o Governo Provincial de Benguela.

    Além da manutenção do acordo, as ‘luvas’ serviriam, segundo os seus proponentes, para agilizar o pagamento das dívidas pelos serviços já prestados. No grupo dos que exigiam os pagamentos em troca dos favores são apontados os nomes do vicegovernador para as infra-estruturas, Henriques Kalenga, e altos funcionários do próprio Governo Provincial.

    Segundo o documento em referência, os responsáveis visados utilizaram vários artifícios alguns dos quais imorais, para obrigar a parte contratada a falsificar dados contabilísticos em termos de volume de trabalho prestados na recolha do lixo e outras actividades similares para benefícios financeiros dos visados em prejuízo do erário público.

    Não tendo encontrado “compreensão” por parte da empresa em referência na satisfação dos apetites “comissionistas”, foram produzidas informações que atestavam incapacidade técnica e mau desempenho da Sonauto na sua actividade, incluindo algumas informações que se dizem forjadas pelas autoridades tradicionais, mas que foram levadas ao gabinete do governador provincial de Benguela, Armando da Cruz Neto, e ditou a rescisão contratual.

    Contactado para se pronunciar sobre o caso, o vice-governador para as Infra-Estruturas, Henrique Kalenga, afirmou que não está metido na embrulhada e que não exigiu nenhuma comissão, mas confirmou ter em sua posse a participação apresentada pela direcção da empresa Sonauto à Direcção Provincial de Investigação Criminal de Benguela.

    Segundo ainda o governante, a rescisão do contrato com a empresa queixosa decorreu do incumprimento contratual. Segundo Henriques Kalenga, o surgimento do caso na imprensa “é próprio de um animal ferido”.

    O actual administrador municipal de Benguela, Leopoldo Muhongo, e o engenheiro António Leão, funcionário da Direcção Provincial do Ambiente, também negaram a alegada extorsão de valores para a manutenção do contrato da Sonauto na recolha do lixo em Benguela.

    Fonte: O País

    Publicidade

    spot_img

    3 COMENTÁRIOS

    1. Sou de outra província mas adoptei esta para viver, por cá hei-de ficar porque felizmente vivo do meu trabalho pessoal, se calhar este Sr. Pedro é que deve estar entalado com alguma coisa. Quanto ao vigarista não lhe admito e se quer ver um vigarista procure um espelho

    2. Cada um conta os factos à sua maneira isso não há dúvida.
      Em primeiro a empresa ERRANGOL saiu do Lobito de forma voluntária podendo dar lugar à Vista, AmbiÁfrica e Envirobac como estava estabelecido. A ERRANGOL não saiu por incompetência, antes pelo contrário, saiu por vontade própria.
      O caso da Sonauto é algo completamente diferente. A empresa sai por clara incapacidade técnica, lembro os mais desatentos que nos 10 meses de contrato a Sonauto andou 7 a recolher contentor com recurso a camião de caçamba basculante e com retroescavadora, algo impensável nos nossos dias, o equipamento de segurança dos trabalhadores limita-se a uma máscara e um colete.
      Os contentores da outra empresa foram roubados pela Sonauto, roubados é a palavra certa, depois de repostos com recurso à policia voltaram a ser roubados.
      Ou seja os casos são diferentes, a Errangol é e será sempre uma empresa séria dirijida por gente séria e não pessoas que tentam camuflar a sua incapacidade técnica com acusações desmedidas e com roubos a quem pretende fazer o seu trabalho.
      Aproveito para agradecer à Errangol o que fez para a mudança da imagem do Lobito

      • Para Mário Nunes, brincadeira esse teu comentário de vigarista sem vergonha a tentar confundir os demais. Deves ser da Ambiafrica que feito com esses gatunos da Administração Municipal e do Ambiente levaram a Errangol na falência que sem pagar os salários com 3 meses e divida no banco entregou tudo a vocês de qualquer jeito, PORQUE SÓ VOCES RECEBEM E OS OUTROS NÃO ? Pensam que a gente não deu conta do que fizeram com a ERRANGOL uma boa empresa, esta empresa faz bem dizer o que todos nós sabemos, vamos ver o final desta novela pois grandes segredos temos para descobrir cá da banda com os gatunos pulas da Ambiafrica a roubar as nossa boas empresas angolanas ides levar nos cornos e no lombo na cadeia.

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Ursula von der Leyen reeleita presidente da Comissão Europeia por larga maioria

    A reeleição estava envolta em incerteza e dependia de uma aritmética complicada entre os quatro partidos centristas. Ursula von der...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema