Domingo, Março 3, 2024
9.9 C
Lisboa
More

    Líder de grupo de busca de desaparecidos é assassinada no norte do México

    Uma mulher que liderava um grupo de busca de pessoas desaparecidas no estado de ‘Baja California’, norte do México, foi assassinada a tiros na quinta-feira (8), informou a comissão local de defesa dos Direitos Humanos.

    A Comissão Estadual dos Direitos Humanos de ‘Baja California’ afirmou em um comunicado que Angélica León, líder do grupo “União e Força por Nossos Desaparecidos”, foi assassinada na cidade de Tecate e pediu às autoridades que investiguem o crime.

    O organismo fez um apelo ao Ministério Público e pediu os “procedimentos necessários que permitam determinar a origem desta agressão e evitar a impunidade”.

    O comunicado acrescenta que a comissão iniciou uma investigação para revisar a atuação das autoridades no caso e “por tratar-se de um ataque a uma pessoa defensora dos direitos humanos”.

    Angélica León era líder do grupo e dedicava à busca de seu irmão José Juan Vázquez León, desaparecido em 27 de junho de 2018. De acordo com relatos publicados na imprensa mexicana, a ativista foi morta a tiros em seu estabelecimento comercial na cidade de Tecate.

    Até o momento, as autoridades locais não se pronunciaram sobre o crime.

    Outros grupos de busca de desaparecidos, como o Mães Buscadoras de Sonora (norte do México) e o Coletivo 10 de Março, que atua no estado fronteiriço de Tamaulipas, exigiram justiça e criticaram o governo do presidente Andrés Manuel López Obrador nas redes sociais.

    Segundo os dados oficiais, o México registrou 114.000 pessoas desaparecidas desde 1952, mas vários casos aconteceram depois de 2006, quando o governo da época iniciou uma controversa operação militar antidrogas.

    O estado da ‘Baja California’ registra 2.660 pessoas desaparecidas, de acordo com os dados oficiais.

    Ao revisar os números, o governo do presidente López Obrador anunciou em dezembro do ano passado que havia localizado 16.681 pessoas que eram consideradas desaparecidas.

    O processo é alvo de críticas de defensores dos direitos humanos, políticos da oposição e famílias de desaparecidos, que acusam o governo de tentar reduzir os números.

    O país tem dezenas de grupos de busca, integrados principalmente por parentes das vítimas, que atuam muitas vezes em condições perigosas e sob ameaças.

    O México, com 126 milhões de habitantes, registou mais de 420.000 assassinatos desde 2006, a maioria atribuídos a organizações criminosas.

    Publicidade

    spot_img
    FonteAFP

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Líder da Junta Militar do Chade anuncia candidatura depois do assassinato do líder da oposição

    O líder da Junta Militar do Chade, Mahamat Idriss Deby Itno, anunciou neste sábado, 2, a sua candidatura às...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema