Sexta-feira, Julho 19, 2024
29.9 C
Lisboa
More

    Lei contra violência no lar é garantia de estabilidade

    A lei contra a violência doméstica, aprovada em Julho, constitui um elemento estabilizador das famílias angolanas e dissuasor de conflitos nos lares, afirmou, na segunda-feira, em Cabinda, a ministra da Família e Promoção da Mulher. Genoveva Lino disse que a sua aprovação não veio para beneficiar as mulheres nem prejudicar os homens, mas que é aplicada a todos que se mostrarem agressores no seio da família.
    Ao falar na cerimónia de apresentação e divulgação da lei contra a violência doméstica, a ministra acrescentou que a lei pune aqueles que criam a instabilidade no seio familiar e possui um pendor preventivo e educativo.
    A ministra referiu que Ministério que dirige está a promover, em todo o país, sessões de esclarecimentos e de divulgação da nova lei sobre a violência doméstica para a população conhecer a sua existência e poder utilizá-la sempre que precisar.
    Genoveva Lino pediu ao governo da província para realizar acções de divulgação da lei em todos os municípios, comunas, unidades militares e policiais.
    O governador Mawete João Baptista disse que a campanha de divulgação da lei ocorre numa altura em que os casos de violência doméstica são elevados.
    A Lei, com 35 artigos estruturados em sete capítulos, vem prevenir, informar e proteger a vítima, incentivar as associações de protecção e criar espaços de aconselhamento, além de desencorajar qualquer acto que atente contra a dignidade da pessoa humana.
    A lei vem dar resposta célere à realidade social actual, de forma a evitar qualquer atentado aos direitos, liberdades e garantias fundamentais das pessoas. Nessa perspectiva, na lei está aclarado o conceito de violência doméstica, suas manifestações no seio familiar, patrimonial, sexual, físico e psicológico, bem o impacto na sociedade. O diploma adopta um conjunto de medidas de apoio e protecção da vítima e do agente entre os quais se destaca a possibilidade de encaminhamento para espaços de abrigo, sempre que a gravidade da situação determine, a restrição de contactos entre a vítima e o agente do crime, quando a segurança da vítima ou interesse processual se imponha.

    Fonte: Jornal de Angola

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Donald Trump provoca polêmica sobre Taiwan

    Donald Trump defenderá Taiwan no caso de uma invasão da China se vencer as eleições de novembro nos Estados...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema