Quarta-feira, Fevereiro 21, 2024
19.2 C
Lisboa
More

    Kerry: coaligação contra Estado Islâmico deve durar ‘anos’

    O secretário de Estado americano, John Kerry, em uma cerimônia na sede do Departamento de Estado, em Washington, em 3 de setembro de 2014 (Foto de Chip Somodevilla/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP)
    O secretário de Estado americano, John Kerry, em uma cerimônia na sede do Departamento de Estado, em Washington, em 3 de setembro de 2014 (Foto de Chip Somodevilla/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP)

    O secretário americano de Estado, John Kerry, disse nesta segunda-feira que a coalizão contra o grupo jihadistas Estado Islâmico (EI) está destinada a durar “meses e até anos”.

    Kerry celebrou o início de uma nova era no Iraque com a formação de um novo governo de unidade proposto pelo primeiro-ministro, Haidar al Abadi.

    O secretário de Estado viajará nesta terça-feira à Jordânia e à Arábia Saudita como parte de um giro destinado a consolidar a coalizão internacional contra o EI.

    Ao menos 40 países já confirmaram sua participação, em diferentes formas nesta coalizão, assinalou a porta-voz do departamento de Estado Jennifer Psaki.

    “Quase todos os países têm um papel a desempenhar para acabar com a ameaça do EI e o mal que representa (…). Alguns países aportarão assistência militar, directa ou em treinamento, armando, equipando e assessorando”.

    Outros contribuirão com ajuda humanitária para os civis na mira do EI, ajudando a obstruir seu financiamento, detendo o fluxo de combatentes estrangeiros para Iraque e Síria e contra-atacando a propaganda do EI.

    Entre os países que já declararam seu apoio à coalizão estão Austrália, Canadá, Grã-Bretanha, França e Emirados Árabes Unidos.

    Segundo funcionários americanos, nações como Albânia, Estónia, Dinamarca, Finlândia e Japão prometeram ajuda financeira para assistência humanitária a refugiados civis.

    Kerry advertiu que a luta contra o EI poderá ser demorada e terminar apenas na próxima administração da Casa Branca, a partir de 2017.

    Em sua visita à capital jordana, Amã, e a Jidá, na Arábia Saudita, Kerry discutirá com seus colegas das Relações Exteriores “a situação em andamento no Iraque”, revelou Jennifer Psaki.

    “O objectivo da coalizão é coordenar as acções diante da ameaça que o EI representa”, explicou a porta-voz, acrescentando que Kerry também pretende discutir “como apoiar ainda mais a segurança e a estabilidade no governo iraquiano”.

    Psaki lembrou que o presidente Barack Obama declarou que os Estados Unidos e seus aliados tentarão “enfraquecer” e “derrotar” o EI.

    As negociações no Iraque para compor um novo governo seguem nesta segunda-feira, dois dias antes de o governo Obama apresentar sua “estratégia de acção” para lutar contra os jihadistas do Estado Islâmico. (afp.com)

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Angola reafirma compromisso com Programa de Acção de Doha

    Angola reafirmou, esta segunda-feira, na sede das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, o seu compromisso com...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema