Quarta-feira, Maio 29, 2024
26.4 C
Lisboa
More

    Jordânia está aberta a “todas as opções” com intensificação do conflito em Gaza

    A Jordânia disse nesta segunda-feira que está deixando “todas as opções” em aberto em sua resposta ao que chamou de falha de Israel em discriminar alvos militares de civis em seus bombardeios e invasão intensos na Faixa de Gaza.

    O primeiro-ministro Bisher al Khasawneh não entrou em detalhes sobre as medidas que a Jordânia tomaria, dias depois de ter retirado seu embaixador de Israel em protesto contra a ofensiva israelita em Gaza, após um ataque do Hamas na fronteira em 7 de outubro.

    A Jordânia também anunciou na semana passada que o embaixador de Israel, que deixou Amã logo após o ataque do Hamas, não teria permissão para voltar, declarando-o efetivamente persona non grata.

    “Todas as opções estão sobre a mesa para a Jordânia ao lidarmos com a agressão israelita a Gaza e suas repercussões”, disse à mídia estatal Khasawneh, cujo país assinou um tratado de paz com Israel em 1994.

    Khasawneh disse que o cerco israelita à Gaza, densamente povoada, não se trata de autodefesa, como afirma. “O brutal ataque israelita não discrimina entre alvos civis e militares e está se estendendo a áreas seguras e ambulâncias”, disse ele.

    Israel nega ter deliberadamente alvejado alvos civis em áreas densamente povoadas, dizendo que o Hamas estava usando civis como escudos humanos, tinha cavado túneis sob hospitais e estava usando ambulâncias para transportar seus combatentes.

    Em um comunicado, o Ministério das Relações Exteriores de Israel disse que as “relações do país com a Jordânia são de importância estratégica para ambos os países e lamentamos as declarações inflamadas da liderança da Jordânia”.

    A Jordânia está revendo seus laços econômicos, de segurança e políticos com Israel e pode congelar ou revogar partes de seu tratado de paz se o conflito em Gaza piorar, disseram diplomatas familiarizados com o pensamento jordaniano.

    A guerra entre Israel e Hamas despertou temores antigos na Jordânia, que abriga uma grande população de refugiados palestinos e seus descendentes. Eles temem que Israel possa expulsar os palestinos em massa da Cisjordânia ocupada por Israel, onde os ataques dos colonos israelitas aos habitantes palestinos aumentaram desde o ataque do Hamas em 7 de outubro.

    Essas preocupações aumentaram desde que a coalizão governamental nacionalista-religiosa de Israel, seu governo mais à direita de todos os tempos, assumiu o poder no ano passado, com alguns adeptos da linha dura defendendo a “opção Jordânia é Palestina”.

    O rei Abdullah expressou essas preocupações durante as conversas com o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, em Bruxelas, alertando sobre a violência generalizada na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, habitada principalmente por árabes, se os ataques de colonos judeus contra civis palestinos não forem contidos, disseram as autoridades.

    O ministro das Relações Exteriores, Ayman Safadi, disse que qualquer medida para expulsar os palestinos para a Jordânia, que faz fronteira com a Cisjordânia, é uma “linha vermelha” que equivale a uma declaração de guerra.

    “Qualquer tentativa de expulsar os palestinos em uma tentativa de Israel de mudar a geografia e a demografia nós confrontaremos”, disse Safadi na semana passada.

    O Exército jordaniano já fortificou suas posições ao longo de suas fronteiras, segundo fontes de segurança.

    As preocupações da Jordânia ocuparam o centro das atenções nas conversas com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, desde o início da guerra de Gaza, e provavelmente serão abordadas em uma reunião com o diretor da CIA, William Burns, durante uma escala na Jordânia em breve, disseram os diplomatas.

    Publicidade

    spot_img
    FonteAFP

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Polícia faz novas buscas no caso de influência russa no Parlamento Europeu

    O procurador-geral da Bélgica afirma que um funcionário do Parlamento Europeu desempenhou um "papel significativo" numa presumível operação de...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema