Domingo, Junho 16, 2024
16.1 C
Lisboa
More

    Investidores retiram um bilião de dólares dos mercados emergentes

    (REUTERS)
    (REUTERS)

    A saída de capitais das economias emergentes atingiu perto de um bilião de dólares nos últimos 13 meses. Os receios em relação à maior desvalorização das moedas e ao abrandamento da China deverão agravar a tendência.

    As economias emergentes entraram num círculo vicioso que está a agravar a saída de capitais. A desaceleração das economias, num cenário de desvalorização das moedas, diminuição das receitas das exportações, com a queda dos preços das matérias-primas, e a queda da procura interna está a suscitar a saída de fundos destas economias. Em termos líquidos, a saída é já superior à entrada de capitais, invertendo a tendência que marcava os mercados emergentes nos últimos anos, nota o Financial Times.

    A saída de capitais das 19 maiores economias emergentes atingiu os 940,2 mil milhões de dólares (850 mil milhões de euros), nos últimos 13 meses até Julho, de acordo com o banco de investimento NN Investment Partners, citado pelo jornal britânico. Este valor é quase o dobro dos 480 mil milhões de dólares (434 mil milhões de euros) de retirada de capitais que marcaram três trimestres da crise financeira entre 2008 e 2009, nota o banco de investimento.

    Este resultado líquido negativo representa uma mudança na tendência do fluxo de capitais nos mercados emergentes. Nos seis anos após a crise financeira até Junho do ano passado foram marcados por um resultado líquido positivo de 2 biliões de dólares nestes mercados, nota o banco de investimento.

    A retirada de capitais pressiona ainda mais estas economias e leva a novas saídas de investimento, nota o Financial Times. Uma tendência negativa que poderá agravar-se com a valorização do dólar, após a possível subida dos juros pela Reserva Federal (Fed) dos Estados Unidos já no mês de Setembro, e com a incerteza relativamente à economia chinesa, dizem os analistas.

    “O colapso das importações nos mercados emergentes reflecte uma queda significativa da procura, à medida que a saída de capitais obriga a procura doméstica a encolher e a queda dos preços das matérias-primas penaliza as receitas nos países produtores”, disse Neil Shearing, do Capital Economics, citado pelo Financial Times. “Não há sinais de termos atingindo o ponto mais baixo”, conclui Shearing. (jornaldenegocios.pt)

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Países se reúnem na Suíça para debater paz na Ucrânia

    Nações se encontram no Lago Lucerna para discutir como ajudar Kiev. Resultado, porém, não deve incluir um cessar-fogo. Rússia...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema