Domingo, Março 3, 2024
9.8 C
Lisboa
More

    Gestão da Zap Media passa á esfera do Estado: Ministério das Telecomunicações tem de reintegrar trabalhadores

    Os activos da Zap Media, que foram arrestados em 2019, foram entregues ao Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, que terá de reintegrar os 400 trabalhadores que foram despedidos este mês, anunciou a PGR em comunicado.

    A transferência dos activos foi requerida, em tribunal, pelo Serviço Nacional de Recuperação de Activos da Procuradoria-Geral da República (PGR), que em 2019, altura em que a Zap Media S.A. e Finstar-Sociedade de Investimentos e Participações foi arrestada, constituiu seus “fiéis depositários os conselhos de administrações das referidas empresas”, como explica um comunicado da PGR.

    Além de ficar encarregue de reintegrar os trabalhadores despedidos, o Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social fica incumbido de “praticar actos de gestão prudente para a manutenção das empresas”.

    Depois de suportar as despesas salariais durante nove meses e sem retorno, a direcção da Zap decidiu encerrar o canal Zap Viva, que já só emitia para Portugal e Moçambique, após a suspensão do canal pelo Ministério das Telecomunicações Tecnologias de Informação e Comunicação Social (MINTTICS).

    A ZAP pertence à empresária angolana Isabel dos Santos
    (DR)

    Em Abril de 2021, o Governo suspendeu, por inconformidades legais, o canal. Apesar de a empresa entregar os documentos exigidos pelo MINTTICS, a situação não foi normalizada, pelo que a instituição se viu obrigada a fechar alguns programas, como, por exemplo, departamento de Actualidade e desvinculou mais de 60 funcionários, em Setembro, dando início a um processo gradual de reestruturação.

    A ZAP VIVA anunciou despedimento forçado de dezenas de funcionários. Sindicato dos Jornalistas de Angola diz que enquanto o licenciamento da media for competência do Governo, haverá sempre condicionalismos.
    (DR)

    Quatro meses depois, o Zap Viva despede trabalhadores em massa e oficializa a extinção do canal, sendo que desde Abril os funcionários receberam todos os salários, incluindo 100% dos subsídios de Natal de férias.

    Com o encerramento da Zap Viva, 400 funcionários da área de entretenimento e 60 da informação ficaram desempregados. Os dados não incluem os postos de trabalho indirectos.

    Logotipos da Record TV, Zap Viva e Canal Vida TV.
    (Arte de Tarcísio Vilela)

    De recordar que no dia 21 de Abril, o Governo Angolano suspendeu os canais da Record TV África, ZAP Viva e Vida TV, medida que foi justificada com a existência de “inconformidades legais”.

    O Executivo deixou também pendentes os registos provisórios dos jornais, revistas, páginas web, site de notícias e estações de rádio sem actividade efectiva nos últimos dois anos, cuja lista nunca foi divulgada.

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Líder da Junta Militar do Chade anuncia candidatura depois do assassinato do líder da oposição

    O líder da Junta Militar do Chade, Mahamat Idriss Deby Itno, anunciou neste sábado, 2, a sua candidatura às...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema