Quarta-feira, Abril 17, 2024
20 C
Lisboa
More

    Fragmentação Global: OMC e G20, duas instituições fraturadas

    Duas das principais instituições, a OMC e o G20, da economia mundial globalizada tentaram mostrar que permaneciam relevantes durante as reuniões realizadas na semana passada. No final, os resultados foram muito poucos, revelando que a globalização, tal como a conhecemos, está cada vez mais fragmentada sob o peso das tensões geopolíticas e geoeconómicas. O que está por vir ainda não é percetível, mas é inquietante.

    Em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, a reunião da Organização Mundial do Comércio com mais de 160 ministros do comércio de todo o mundo serviu de fórum para profundos desacordos sobre as prioridades do comércio global. As negociações, que deveriam terminar na quinta-feira da semana passada, tiveram de ser prolongadas até sábado de manhã para dar mais tempo para chegarem a acordos.

    A Diretora-Geral da OMC, Ngozi Okonjo-Iweala, observou que a cimeira teve lugar “num contexto internacional marcado por maior incerteza do que em qualquer momento de que me lembro”. Ela não fez qualquer menção direta ao conflito entre Israel e o Hamas, limitando-se a mencionar as contínuas interrupções no transporte marítimo causadas pelos rebeldes Houthi do Iêmen no Mar Vermelho.

    A Índia e outras nações em desenvolvimento queriam um renascimento do tribunal de recursos da OMC, que ficou paralisado graças à recusa dos Estados Unidos em 2019 em aceitar as nomeações dos novos juízes. Sem um mecanismo de aplicação e de resolução de conflitos, as regras da OMC correm o risco de perder uma grande parte da sua autoridade. Hoje existem disputas comerciais no valor de milhares de milhões de dólares por resolver, num momento em que os governos recorrem cada vez mais aos subsídios e restrições comerciais para protegerem as indústrias nacionais.

    Mas a India também foi acusada de bloquear outras questões importantes, como a redução de subsídios nas pescas e no sector agrícola, em troca do seu apoio para uma extensão de uma moratória que mantém o comércio digital transfronteiriço livre de tarifas.

    No fim, o único acordo digno de nota foi a extensão da pausa nos impostos sobre o e-comércio, como os mídias digitais, filmes e videogames . Sobre esta questão, a OMC decidiu simplesmente prolongar a pausa até à sua próxima reunião bienal. Sendo uma questão recorrente, é provável que seja questionada na próxima reunião bienal.

    Com apenas dois grandes acordos multilaterais a seu favor – a OMC é incapaz de mediar o consenso necessário entre os seus 166 membros, à medida que a economia global se fragmenta em blocos rivais.

    Independentemente de quem ocupe a Casa Branca após as eleições de novembro de 2024, os Estados Unidos têm profundas reservas em relação à OMC. Nas últimas três administrações, os EUA bloquearam nomeações para o seu tribunal de recurso e este já não funciona. Washington diz que os juízes da OMC muitas vezes excederam a sua autoridade ao decidir casos.

    Os EUA também criticaram a China por ainda se descrever como um país em desenvolvimento, como fez quando aderiu à OMC em 2001. Washington, Europa e outros dizem que Pequim dificulta indevidamente o acesso às indústrias emergentes e pressiona as empresas estrangeiras a entregarem tecnologia. Os EUA também afirmam que a China inunda os mercados mundiais com aço, alumínio e outros produtos baratos. Por sua vez, os Estados Unidos e a UE também têm inúmeras disputas comerciais para resolver.

    No outro lado do planeta, em São Paulo, o Brasil foi anfitrião na semana passada da mais recente conferência de Ministros das Finanças do Grupo dos 20 países emergentes e desenvolvidos.

    Antigamente, o G-20 era um conselho-chave onde era possível forjar consenso sobre os principais desafios globais. Foi eficaz, por exemplo, para evitar qualquer aumento protecionista durante a crise global causada pela crise financeira de 2008.

    Muitos analistas pensavam que o G-20 poderia liderar questões globais que mais tarde seriam discutidas e adotadas por consenso nas Nações Unidas. O G-20 seria uma espécie de antecâmara para a resolução de questões globais. Na verdade, o próprio G-20 foi criado por iniciativa do grupo G-7 de países ricos, quando este percebeu que tinha cada vez menos legitimidade para debater questões globais.

    Com a geopolítica a dividir os seus membros, especialmente devido à invasão da Ucrânia pela Rússia e ao conflito entre Israel e o Hamas, o G-20 está paralisado na tomada de decisões importantes. Hoje, reuniões importantes acontecem à margem do G-20.

    Durante a reunião do G-20 no Brasil, os países industrializados do G-7 estiveram mais ocupados a discutir entre si sobre o que fazer com os activos congelados da Rússia, no meio da extrema necessidade de capital para a reconstrução da Ucrânia.

    As divisões sobre os conflitos em Gaza e na Ucrânia impediram o G-20 de emitir uma declaração final após as suas reuniões em São Paulo. O Ministro das Finanças do Brasil, Fernando Haddad, disse aos repórteres que as partes não conseguiram chegar a um acordo sobre a geopolítica e que, como anfitriões, o seu governo emitiria o que é conhecido como a declaração do presidente. As reuniões terminaram na quinta-feira.

    O comunicado, divulgado minutos após os comentários de Haddad, refere-se a “guerras e conflitos crescentes” sem identificá-los, bem como à “fragmentação geoeconómica”.

    A tensão sobre estas questões ofuscou outras partes da agenda do G-20 em São Paulo, que se concentra principalmente em questões financeiras. Esperava-se que as discussões avançassem para encontrar um mecanismo de resolução da dívida mais eficaz para os países em desenvolvimento do que o Quadro Comum do G-20. Mas isso não aconteceu e os países em desenvolvimento foram simplesmente esquecidos.

    É claro que reuniões deste tipo terminam sempre com uma declaração positiva, escondendo o fracasso em linguagem diplomática.

    Ninguém se atreverá a apelar à dissolução destas instituições e haverá sempre quem enfatize a importância de as manter em funcionamento, simplesmente como forma de forçar o envolvimento entre concorrentes e até inimigos, ou mesmo de manter o status quo. Mas os dias de consenso sobre as principais questões globais parecem ter passado.

    Por: José Correia Nunes
    Diretor Executivo Portal de Angola

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Relação diz “que não há qualquer indício” de que António Costa tenha falado com Lacerda Machado sobre Sines

    O Tribunal da Relação de Lisboa não encontrou nos autos da investigação da Operação Influencer, que resultou na demissão...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema