Quarta-feira, Junho 19, 2024
17.8 C
Lisboa
More

    Financiamento aos países em desenvolvimento para a ação climática beneficia países ricos, revela um relatório da Reuters

    Um relatório da Reuters revela que países ricos deram financiamento climático a países em desenvolvimento nos últimos anos com taxas de juro ou condições que beneficiaram as nações credoras, concluiu uma análise de dados da Reuters.

    Segundo o relatório, o Japão, a França, a Alemanha, os Estados Unidos e outras nações ricas estão a colher milhares de milhões de dólares em ganhos financeiros de um programa global destinado a ajudar o mundo em desenvolvimento a lidar com os efeitos das alterações climáticas, segundo os dados da ONU e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económica (OCDE) analisados pela Reuters.

    As nações ricas emprestaram pelo menos 18 mil milhões de dólares a juros de mercado, incluindo 10,2 mil milhões de dólares em empréstimos feitos pelo Japão, 3,6 mil milhões de dólares pela França, 1,9 mil milhões de dólares pela Alemanha e 1,5 mil milhões de dólares pelos Estados Unidos, de acordo com a análise da Reuters e da Big Local News um programa de jornalismo da Universidade de Stanford nos Estados Unidos. Esta não é a norma para empréstimos para projetos relacionados com o clima e outros projetos de ajuda, que normalmente têm juros baixos ou nenhuns.

    Pelo menos outros 11 mil milhões de dólares em empréstimos – quase todos do Japão – exigiram que os países beneficiários alugassem ou comprassem materiais a empresas dos países credores.

    E a Reuters identificou pelo menos 10,6 mil milhões de dólares em subvenções que, de forma semelhante, exigiam que os beneficiários contratassem empresas, organizações sem fins lucrativos ou agências públicas de nações específicas – geralmente o doador – para fazer o trabalho ou fornecer materiais.

    Oferecer empréstimos climáticos a taxas de mercado ou condicionar o financiamento à contratação de certas empresas significa que o dinheiro destinado aos países em desenvolvimento é enviado de volta aos países ricos.

    Mais de dois terços do financiamento climático recebido pelos países de rendimento médio entre 2015 e 2020 foram emprestados, embora muitos já enfrentem dívidas impressionantes. Os reembolsos de empréstimos reduzem o financiamento que estas nações podem gastar em serviços sociais básicos e podem limitar a sua capacidade de preparação e resposta a eventos climáticos extremos, disseram à Reuters analistas de finanças climáticas e responsáveis climáticos dos países em desenvolvimento.

    Muitos dos empréstimos e subvenções condicionais analisados pela Reuters foram contabilizados para o compromisso dos países desenvolvidos de enviar 100 mil milhões de dólares por ano aos países mais pobres, desproporcionalmente prejudicados pelas alterações climáticas. Assumido pela primeira vez em 2009, o compromisso foi reafirmado no acordo climático de Paris de 2015. Cerca de 353 mil milhões de dólares foram pagos entre 2015 e 2020. Essa soma incluía 189 mil milhões de dólares em pagamentos directos entre países, que foram o foco da análise da Reuters.

    Mais de metade desse financiamento directo – cerca de 54% – veio sob a forma de empréstimos e não de subvenções, um facto que irrita alguns representantes de países em desenvolvimento endividados, como o Equador. Dizem que não deveriam ter de contrair mais dívidas para resolver problemas em grande parte causados pelo mundo desenvolvido.

    Os países “do sul global estão a enfrentar uma nova onda de dívida causada pelo financiamento climático”, disse Andres Mogro, antigo director nacional do Equador para a adaptação às alterações climáticas.

    Ao mesmo tempo, disseram vários analistas, os países ricos estão a exagerar as suas contribuições para o compromisso de 100 mil milhões de dólares, porque uma parte do seu financiamento climático regressa ao país através de reembolsos de empréstimos, juros e contratos de trabalho.

    As nações ricas defendem o seu financiamento climático

    Representantes das principais agências que gerem o financiamento climático para o Japão, a Alemanha, a França e os Estados Unidos – os quatro países que reportam mais esse tipo de financiamento à ONU – disseram que consideram o montante da dívida que um país já carrega quando decidem se oferecem empréstimos ou subvenções. Disseram que dão prioridade às subvenções aos países mais pobres.

    Cerca de 83% do financiamento climático aos países de rendimento mais baixo foi sob a forma de subvenções, concluiu a análise da Reuters. Mas esses países também receberam, em média, menos de metade do financiamento climático que as nações de rendimento mais elevado que receberam principalmente empréstimos.

    O Acordo de Paris não afirma abertamente que as nações desenvolvidas devem compensar as emissões históricas. Faz referência aos princípios de “justiça climática” e “equidade” e assinala as “responsabilidades e capacidades comuns, mas diferenciadas” dos países para lidar com as alterações climáticas.

    Muitos interpretam essa linguagem como significando que as nações ricas, que tiveram um papel descomunal na situação de crise climática atual, têm a responsabilidade de ajudar a resolver problemas relacionados com o clima.

    Mas o acordo carecia de detalhes. O compromisso dizia que as nações deveriam mobilizar o financiamento climático a partir de “uma ampla variedade de fontes, instrumentos e canais”. Não definiu se as subvenções deveriam ser priorizadas em detrimento dos empréstimos. Nem proibiu as nações ricas de imporem condições vantajosas para si mesmas.

    As conclusões da Reuters surgem num momento em que os países tentam negociar uma nova meta de financiamento climático mais elevada até ao final do ano durante a COP29. A ONU estimou que são necessários pelo menos 2,4 trilhões de dólares por ano para cumprir as metas do acordo climático de Paris, que incluía evitar que a temperatura média global subisse mais de 2 graus Celsius (3,6 graus Fahrenheit) acima dos níveis pré-industriais.

    Os países altamente endividados enfrentam um círculo vicioso: os pagamentos da dívida limitam a sua capacidade de investir em soluções climáticas, enquanto condições climáticas extremas provocam graves perdas económicas, levando-os muitas vezes a contrair mais empréstimos. Um relatório de 2022 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento concluiu que mais de metade das 54 nações em desenvolvimento mais gravemente endividadas também estavam entre as mais vulneráveis aos efeitos das alterações climáticas.

    Por Editor Económico
    Portal de Angola

    Publicidade

    spot_img
    FonteReuters

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Nvidia torna-se empresa mais valiosa da bolsa do mundo

    A fabricante de semicondutores Nvidia se tornou, nesta terça-feira (18), a empresa mais valiosa do mundo, superando Apple e...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema