Quarta-feira, Julho 24, 2024
30.8 C
Lisboa
More

    Fármacos falsos poem em perigo vidas humanas

    O alerta foi dado por investigadores internacionais que colaboraram num estudo financiado pela instituição filantrópica Wellcome Trust. Actualmente estão a ser usados em África medicamentos falsos ou de má qualidade para tratar a malária e que poderão pôr “milhões de vidas em risco”.

    Estes medicamentos contrafeitos, alguns deles oriundos da Ásia, poderão afectar milhões de pessoas, dado que poderão fazer com que os parasitas da malária ganhem resistência às substâncias usadas para tratar esta doença, que se estima que mate 800 mil pessoas por ano.

    Este estudo foi levado a cabo por cientistas do Wellcome Trust, Mahosot Hospital (instalado no Laos) e Oxford University Tropical Medicine Research, que publicaram as conclusões no Malaria Journal.
    Os investigadores examinaram medicamentos anti-malária verdadeiros e contrafeitos que estiveram à venda em 11 países africanos, entre os anos de 2002 e 2010. No decurso da investigação, os cientistas descobriram que alguns medicamentos contrafeitos continham uma mistura de ingredientes farmacêuticos errados que, numa fase inicial, aliviavam os sintomas da malária mas que não a curavam.

    Alguns ingredientes detectados nos medicamentos contrafeitos poderão causar graves efeitos secundários, especialmente quando misturados com outros medicamentos que o utilizador possa estar a tomar, como retrovirais para tratar o HIV (que também infecta milhões de pessoas no continente africano).

    Para além de não ser eficaz e de potenciar efeitos secundários graves, os medicamentos contrafeitos para tratar a malária podem ainda, de forma mais grave, servir para que o parasita desenvolva resistência aos medicamentos que são usados para tratar a doença.

    Foi o que aconteceu no passado a medicamentos contendo cloroquina e mefloquina. O mesmo poderá acontecer agora com a artemisinina, um dos componentes mais eficazes para combater a malária.

    Os investigadores afirmam que pequenas quantidades de artemisinina estão a ser colocadas nos medicamentos contrafeitos para que possam passar nos testes de qualidade, mas não em quantidades suficientes para serem eficazes. E isso, naturalmente, poderá fazer com que o parasita da malária ganhe resistência a esta droga, alerta o estudo.

    O investigador que liderou esta investigação, Paul Newton, pediu aos governos africanos que tomem medidas urgentes para combater este comércio de medicamentos contrafeitos para tratar a malária. “Se esta acção falhar, milhões de vidas estarão em risco, particularmente crianças e mulheres grávidas”, disse Paul Newton, citado pela BBC.

    “O enorme investimento em desenvolvimento, avaliação e distribuição de medicamentos contra a malária é desperdiçado se aquilo que as pessoas efectivamente tomam, devido a descuido ou criminalidade, é de baixa qualidade e não cura”, acrescentou o mesmo responsável.

    Fonte: JA

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    EUA: Onde Kamala Harris se posiciona em relação às alterações climáticas e porque é que isto a torna vulnerável aos ataques de Trump

    A retirada de Joe Biden da corrida presidencial de 2024 — cedendo a semanas de pressão após um debate...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema