Sexta-feira, Março 1, 2024
11.7 C
Lisboa
More

    Falta de água “desespera”residentes de Luanda e PR manda acelerar projectos

    O abastecimento de água potável em Luanda é um “deus-nos-acuda”, dizem moradores de bairros da capital angolana ouvidos pela VOA.

    O Governo responde que o fornecimento de água por via da rede de distribuição da Empresa de Produção de Água de Luanda (EPAL) abrange apenas 40 por cento e a outra parte é abastecida por camiões cisternas.

    Analistas políticos consideram que a falta de acesso a água potável tem causado indirectamente a morte de milhares decidadãos.

    O cenário comum nos bairros periféricos de Luanda é a cor amarela dos bidons e as bacias dos moradores à procura de água.

    O coordenador da organização não governamental Rede Terra alerta que a falta de água ”é uma arma silenciosa que está a matar milhões de pessoas, já que o consumo de água não potável desencadeia uma série de doenças e há muita gente a morrer por falta de acesso à água tratada”.

    Outra perspectiva, segundo Bernardo Castro, tem a ver com direitos humanos porque para ele “o não acesso a água potável é desde logo uma violação aos direitos humanos, ao invés de se ter uma visão eleitoralista do problema deviam encará-la como uma questão de direitos humanos”.

    Por seu lado, André Augusto, da Associação SOS Habitat, é de opinião que a falta de acesso a água potável é um dos factores que contribui para o aumento da pobreza.

    “Em zonas onde não há água potável do Estado, as pessoas são obrigadas a compra-la, o que acaba por empobrecer ainda mais as famílias”, acrescenta.

    O Presidente da República instou recentemente os seus colaboradores a acelerarem os projectos tanto de abastecimento de água como de electrificação de Luanda, sobretudo para, segundo o também presidente do MPLA, apagar a má imagem que o partido no poder teve nas eleições em Luanda.

    A derrota no círculo eleitoral da capital é atribuída à falta destes dois importantes elementos, água e luz.

    Entretanto a EPAL, segundo o seu porta-voz, diz que Luanda tem um abastecimento da rede pública abaixo de 50 por cento da sua população.

    Vladimir Bernardo acrescenta que uma boa franja da população é atendida por camiões cisternas, mas a “partir de 2025 a taxa de cobertura no abastecimento de água poderá aumentar”, com a execução de projectos em curso.

    Por Manuel José

    Publicidade

    spot_img
    FonteVOA

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Índia e África do Sul bloqueiam acordo de investimento nas negociações da OMC

    A Índia e a África do Sul apresentaram uma objeção formal contra um acordo de investimento na reunião...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema