Segunda-feira, Maio 20, 2024
13.9 C
Lisboa
More

    Europeus querem impedir agências de avaliar risco de países sob ajuda

    O Comissário Europeu para os Mercados Financeiros, Michel Barnier, quer reforçar significativamente as regras aplicadas às agências de notação financeira, impedindo-as de avaliar o rating dos países que beneficiam de um plano de ajuda internacional.
    Ainda na semana passada, a redução da classificação de Portugal para “lixo”, feita pela Moody’s, provocou pânico nos mercados e foi alvo de duras críticas por parte das instâncias europeias.
    “É minha intenção pedir à presidência polaca da União Europeia (UE) para colocar este assunto na agenda do próximo Ecofin”, revelou Michel Barnier num discurso em Paris, transmitido pelo seu gabinete em Bruxelas, segundo a France Press.
    O Comissário Europeu para os Mercados Financeiros realçou que “ainda falta estudar a viabilidade da proibição e de que forma se processaria”, cita a Lusa.
    Outra comissária europeia, Viviane Reding (Justiça) vai mais longe, sendo a favor do desmantelamento das três grandes agências de notação financeira norte-americanas: Standard & Poor’s, Moody’s e Fitch.
    No fim-de-semana passado, um grupo de economistas franceses defendeu a ideia de que só o Fundo Monetário Internacional é que deve avaliar as dívidas dos países.
    Na reunião de segunda-feira com o presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, os responsáveis das Finanças da Zona Euro discutiram a necessidade de melhorar a forma como é feita a notação das dívidas soberanas por parte das agências de notação de risco mas, segundo fontes comunitárias, não se deverá avançar muito nesta área em que há divisões entre os europeus.

    A Comissão Europeia deverá apresentar propostas concretas no sentido de aumentar a supervisão e a regulamentação destas empresas só em Novembro.
    Certo é que o projecto de criação de uma agência de notação europeia se tem deparado com resistências, pelo menos por parte do Reino Unido e do Banco Central Europeu, que têm dúvidas sobre a sua futura credibilidade junto dos mercados. Os 17 ministros das Finanças da Zona Euro irão passar uma parte importante da reunião a tentar encontrar uma solução sobre as modalidades e o envolvimento do sector privado no segundo pacote de ajuda à Grécia, que deverá ser decidido até Setembro próximo.
    A OCDE defendeu a participação dos credores privados no segundo resgate grego.

    Fonte: Jornal de Angola

    Publicidade

    spot_img

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Os EUA pretendem remodelar as cadeias de abastecimento globais na Ásia, e a China contorna isso com investimentos em países asiáticos

    Os aumentos tarifários do presidente Joe Biden sobre uma série de importações chinesas são apenas as últimas medidas dos...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema