Quarta-feira, Julho 17, 2024
26.5 C
Lisboa
More

    “Este é o ponto de partida para a reconciliação entre os angolanos”

    Angola começou a entregar certidões de óbito aos familiares das vítimas mortais dos conflitos políticos ocorridos de 11 de Novembro de 1975 a 4 de Abril de 2002.

    Esta segunda-feira, 31 de Maio, foram atendidas 17 pessoas no posto de atendimento do Pavilhão Multiusos Arena do Kilamba, onde se encontram médicos e psicólogos para acompanhamento dos familiares. “Este é um momento muito emotivo que os requerentes vão viver, depois de anos à espera de uma certidão de óbito”, admitiu o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz.

    O Pre­si­den­te angolano pe­diu, na quinta-feira passada, 27 de Maio, “des­cul­pas pú­bli­cas e per­dão pe­las ví­ti­mas dos con­fli­tos”. João Lourenço pediu junto das vítimas dos conflitos e dos angolanos no geral, em nome do Estado angolano, “desculpas públicas e perdão, pelo grande mal que foram as execuções sumárias naquela altura e naquelas circunstâncias”.

    O Chefe de Estado discursava, no âmbito da reconciliação nacional, em memória das vítimas dos conflitos políticos em Angola, no período entre 11 de Novembro de 1975 e 4 de Abril de 2002.

    Com a criação da Comissão de Reconciliação em Memória das Vítimas dos Conflitos Políticos (CIVICOP), o Presidente angolano, João Lourenço, revela uma vontade de reconciliação nacional e “este é o ponto de partida para a reconciliação entre os angolanos”, lembra o professor de história no Instituto Superior de Ciências da Educação de Luanda, Bruno Kambundo.

    Quanto à celebração do centenário de Agostinho Neto previsto para 2022, o académico aponta que “independentemente das atrocidades ou não cometidas pelo líder Agostinho Neto, ele continuará sempre a ser o primeiro Presidente de Angola, por isso devemos honrar a sua memória. O país vive hoje um contexto diferente, de maior abertura política”.

    “A Guerra civil de Angola não foi feita apenas por uma das partes. Houve partes envolvidas e as culpas devem ser repartidas. Costumo dizer que uma das bases para edificar uma Angola melhor e de todos deve começar por uma assunção de culpa de todos o que tiveram nestes processos de decisões políticas do país”, descreve o historiador. À pergunta: “é tempo de outras forças políticas assumirem atrocidades cometidas até 2002”, o académico responde que “sim. É altura de outras forças políticas saírem também, antes de apontar o dedo. É um momento de assumirmos e reconhecer o que se passou no passado para começarmos a traçar um novo caminhar”.

    Publicidade

    spot_img
    FonteRFI

    POSTAR COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

    - Publicidade -spot_img

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    FMI: Crescimento global estável em meio à desinflação mais lenta e à crescente fragmentação geoeconómica

    O FMI publicou na terça-feira a revisão das suas projeções sobre a economia mundial. O Fundo Monetário Internacional alertou que...

    Artigos Relacionados

    Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
    • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
    • Radio Calema
    • Radio Calema